Empresa de capital aberto registra patente para mandar a cannabis não para a mente, mas para a blockchain

A empresa Security Matters, que é listada na Bolsa de Valores da Austrália, registrou um pedido de patente nos Estados Unidos para um sistema de blockchain para gerenciar com segurança a cadeia de suprimentos de cannabis.

O sistema proposto pode ser aplicado para marcar, rastrear e gerenciar a cadeia de suprimentos de plantas, produtos e ingredientes derivados da maconha, informou a ZDNet em 3 de setembro.

Cannabis na blockchain

A Security Matters - que é negociada publicamente na Austrália, mas tem sede em Israel - indicou que o escopo da patente cobre o uso de sua solução química proprietária para "marcar" plantas de cannabis em qualquer estágio de seu cultivo - desde as sementes antes do plantio .

A empresa agora está comercializando essa tecnologia, que usa uma forma oculta de código de barras para marcar indelevelmente qualquer material - sólido, líquido ou gasoso. Ele destacou que:

"A solução de marcação pode ser aplicada à semente ou planta através de um método de revestimento, irrigação e fertilização e é usada para autenticação do produto, supervisão e gerenciamento da cadeia de suprimentos da planta e subprodutos da planta".

Quando lido, o código de barras revela dados imutáveis correspondentes ​​armazenados em uma blockchain, o que a Security Matters diz fornecer uma solução de segurança e transparência de ponta a ponta para os setores agrícola e de cannabis.

O CEO e fundador da empresa, Haggai Alon, disse que a solução aborda duas preocupações principais para o setor de maconha - a capacidade de rastrear a origem da maconha e controlar e monitorar seu conteúdo para determinar em qual aplicação será finalmente usado:

"A tecnologia da SMX tem a capacidade de fazer isso e pode garantir que ambas as necessidades sejam atendidas sem a necessidade de modificação genética complexa ou impacto negativo nas sementes, plantas ou produtos vegetais"

Na Austrália, o consumo de maconha para fins recreativos atualmente é ilegal, embora o uso medicinal seja permitido.

Indústrias aliadas?

As indústrias de blockchain e cannabis seguem enfrentando um certo grau de incerteza regulatória e legal, pressão do governo e a percepção de serem de alto risco.

Eles também compartilham uma luta contínua com o apoio bancário - a maconha - embora agora ela já seja legal em alguns estados dos EUA - continua sendo uma substância controlada e ilícita em nível federal.

No início deste mês, o estado do Arizona aceitou uma solução de pagamentos orientada para o setor de maconha baseada em blockchain em sua sandbox fintech.