Problema técnico na CloudFlare derruba grandes sites de criptomoedas

O servidor global CloudFlare apresentou problemas técnicos em seus servidores e fez com que grandes plataformas de criptomoedas ficassem fora do ar. A CloudFlare confirmou a interrupção em um post no seu blog oficial, reconhecendo o tempo de inatividade como resultado de uma falha de software.

A CloudFlare é um dos maiores serviços do mundo de hospedagem na web e uma infinidade de grandes provedores de serviços online depende dela para proporcionar aos usuários uma experiência perfeita. No entanto, uma falha no servidor fez com que vários serviços do mundo das criptomoedas, como a Coinbase, a Bitfinex, a MyEtherWallet e o CoinMarketCap ficassem inacessíveis.

Felizmente, isso não foi causado por um ataque e forçado por uma ação mal-intencionada, pois não foram perdidos fundos quando a funcionalidade retornou aos sites. Circunstâncias semelhantes ocorreram em novembro de 2018, quando a exchange sul-coreana Upbit ficou em inatividade devido a um erro nos servidores da Amazon.

A Bitfinex foi rápida em postar nas redes sociais para informar seus usuários que isso não era um ataque e apenas uma falha nos servidores do serviço de hospedagem. 

No entanto, esse evento pode ter causado um impacto no ecossistema, já que a Cloudflare é o principal provedor de proteção contra DDoS para a maioria dos sites que hospeda. A falha de proteção, mesmo por um pequeno período de tempo, poderia levar a circunstâncias perigosas.

A Cloudflare solucionou o problema, confirmando que foi o resultado da implantação de software com bug que foi revertido. Em 30 minutos, os servidores da Cloudflare estavam funcionando normalmente e não foram relatados lapsos de segurança como resultado dessa interrupção.

Embora possuir Bitcoin e transacionar pela rede não seja algo que um governo possa controlar, eles podem controlar a Internet e as empresas de hospedagem na web que podem cortar o acesso a quem usa essas redes específicas. Como o Cointelegraph mostrou, a Blockstream anunciou em março uma nova funcionalidade que permite o envio de mensagens através de uma rede de satélites.