De acordo com Pompliano, o Prêmio Nobel da Paz deveria ir para Satoshi, pela invenção do Bitcoin

Investidor e cofundador da Morgan Creek Digital Assets, o americano Anthony Pompliano argumentou que Satoshi Nakomoto deveria receber o Prêmio Nobel da Paz por inventar o Bitcoin.

Em um "tuíte" publicado em 3 de setembro, Pompliano escreveu:

“Satoshi deveria ganhar o Prêmio Nobel da Paz. Finalmente temos uma moeda que pode assumir o status de reserva global sem que ninguém tenha usar a violência para isso.”

E o prêmio vai para… X

A proposta de Pompliano enfrenta o obstáculo óbvio do agora lendário desaparecimento de Nakamoto no final de 2010 - que provocou quase tanta especulação e fervoroso interesse quanto a criptomoeda que ele inventou em 31 de outubro de 2008 com a publicação do white paper do Bitcoin.

Considerações pragmáticas à parte, o argumento de Pompliano explora a crença de muitos defensores apaixonados da criptomoeda de que as moedas fiduciárias nacionais são essencialmente "apoiadas pela violência" - sua hegemonia fundada em uma história de coerção, controle centralizado de suprimentos e monopólio do poder.

No século III, o imperador chinês Qin Shi Huang padronizou as moedas de diferentes estados em guerra, produzindo a primeira moeda unificada para o império, o bàn liǎng.

Após a segunda guerra mundial no século passado, a ascensão dos EUA à posição de superpotência econômica mundial fez o dólar se transformar em uma moeda de reserva global - um espelho da preeminência do país e um instrumento com o qual impôs sua influência e mão de ferro.

Fiduciário em tempos incertos

Avançando para o Século XXI, as moedas fiduciárias nacionais e o sistema bancário de reservas estão enfrentando intensos choques geopolíticos em todo o mundo.

Conforme relatado ontem, a Argentina agora restabeleceu os controles de capital, limitando a liberdade dos cidadãos e das empresas de comprar moeda estrangeira.

O país sul-americano, cada vez mais envolto em problemas, tomou a medida porque o peso argentino (ARS) sofre perdas esmagadoras frente as principais moedas fiduciárias, como o dólar americano.

Com a invenção das criptomoedas descentralizadas na década passada - e as notícias mais recentes de que gigantes da tecnologia como o Facebook estão tentando cooptar a tecnologia subjacente para si para criar suas próprias redes de moedas digitais - o cenário da moeda e os princípios tradicionais da política monetária são: confrontados com desafios sem precedentes.

Em meio ao tumulto da prolongada guerra comercial EUA vs. China, o diretor do departamento de pesquisa do Banco Popular da China argumentou recentemente que a China emitiria sua própria moeda digital devido ao papel potencialmente excessivo que o dólar dos EUA assumiria em conjunto com o Libra do Facebook. Ele escreveu:

“Se a moeda digital estiver intimamente associada ao dólar americano, poderá criar um cenário no qual as moedas soberanas coexistam com as moedas digitais centradas no dólar americano. Mas haveria, em essência, um líder, que são o dólar americano e os Estados Unidos.”