Pompliano aparentemente detém 50% de sua riqueza em Bitcoin e explica por que

O investidor americano e co-fundador da Morgan Creek Digital Assets Anthony “Pomp” Pompliano explicou sua estratégia de investimento e ceticismo em relação à moeda fiduciária em uma entrevista com a Cointelegraph em 5 de julho.

Quando perguntado se ele achava que colocar 50% de sua riqueza na principal criptomoeda do mercardo, o bitcoin ( BTC ) era uma jogada arriscada, Pompliano disse que o risco é relativo para cada indivíduo; no entanto, ele tem um perfil claro que quer empreender. Pompliano continuou:

“Eu diria que ter 100% de exposição a moedas fiduciárias é uma péssima ideia. Certo? Porque se uma dessas moedas fiduciárias que você tem 100% de sua riqueza é atingida ou uma hiperinflação ou falha, você tem muitos problemas ".

Pompliano enfatizou a necessidade de mais diversificação, o que deixa a questão de quanto se deve retirar de investimentos em uma moeda fiduciária para aplicar em uma criptomoedas.

Bitcoin tem a rede de computação mais segura, por conta do proof-of-work, segundo Pompliano, e “sua abordagem de defesa aumenta drasticamente a probabilidade de que o bitcoin seja um dia a moeda de reserva global do mundo”. argumentou:

“Com certeza o estado-nação com o maior exército sempre controlou a moeda de reserva global. [...] coisas que anteriormente permitiram que um Estado-nação controlasse a moeda de reserva global - superioridade militar, sanções econômicas etc. - de repente são muito menos eficazes, e o que eu acredito que vai acontecer é o país ou o sistema monetário que tem a maior proteção, na verdade, está em posição de dominar ".

No início desta semana, Pompliano previu que o bitcoin atingirá US$ 100.000 até o final de 2021, explicando que o princípio básico por trás de sua previsão era a economia clássica de oferta e demanda, que permanece válida para a classe de ativos digitais inovadores.