Polícia encontra transações de Bitcoin mas não estabelece relação entre BTC e pagamentos para hacker da Lava Jato

As investigações da Polícia Federal ainda não encontraram qualquer relação entre Bitcoin, criptomoedas e pagamentos para os 'hackers da lava jato', conforme reportagem da Folha de São Paulo, publicada hoje, 05 de setembro.

De acordo com a reportagem uma análise dos computadores, documentos, celulares e demais itens apreendidos pelos investigadores com os quatro suspeitos (um deles réu confesso) de terem invadido contas do Telegram de autoridades ligadas a investigação da Lava Jato, não encontrou, até o momento, ligação entre transações financeiras e o vazamento de mensagens, embora a PF tenha encontrado índicios de que os hackers rececebram para realizar o ato.

Ainda segundo a reportagem a perícia "não encontrou chaves privadas ou carteiras de moedas nos materiais examinados, apenas algumas referências a endereços de Bitcoin no notebook do item 01 [da marca Apple], sem relação com as atividades do usuário do equipamento”.

O relatório no entanto indica também que pode ter ocorrido pagamento mesmo que nenhuma prova tenha sido encontrada até o momento, “Cerca de dois meses antes da veiculação na mídia sobre o conteúdo das mensagens privadas das contas Telegram de autoridades, Danilo é informado por Walter que ‘acabou a tempestade’, ‘veio a bonança’, sugerindo melhora financeira”, diz a perícia.

Há ainda fatos não esclaredicos como uma venda de Bitcoins, realizada por um dos presos, Gustavo Neto, de R$ 1,5 milhão , entre indivíduos conhecidos apenas pelos nomes de ‘Paraguai’ e ‘Maku’.” Essa é uma das razões para a PF sustentar a necessidade de manter a prisão preventiva de Santos.

Como noticiou o Cointelegrah, em buca dos Bitcoins da "lava jato", o Deputado Federal Júnior Bozzella, (PSL-SP) protocolou um requerimento na Câmara dos Deputados, convocando para uma Audiência Pública, o editor do site The Intercept, o jornalista norte-americano Glenn Greenwald, conforme pedido publicado em 13 de agosto.

Boezzella alega que Greenwald não conduz o site com imparcialidade, "o Site The Intercept tem um direcionamento político partidário de esquerda, o que deixa totalmente comprometida sua isenção na divulgação da atividade jornalística."