Plataforma lançará concursos de auditoria de segurança para casas de câmbio cripto com um conjunto de recompensas de US $ 2 milhões

O Buglab, uma plataforma apoiada no blockchain Ethereum, visa fortalecer a segurança da informação, transformando o processo de encontrar vulnerabilidades em desafios — ou “competições” — para testadores certificados de segurança cibernética. Ao definir limites de tempo para esses especialistas encontrarem vulnerabilidades, eles serão recompensados por suas descobertas cumulativas. O Buglab também planeja proteger as casas de câmbio de criptomoedas, hospedando os testes com um conjunto de recompensas de US $ 2 milhões.

A empresa diz que seus métodos podem ajudar a superar os problemas atuais dos testes de segurança tradicionais: ineficiência de custo, falta de recursos e irrelevância nos relatórios. Os clientes se beneficiariam, pois vários pesquisadores de segurança cibernética são designados para a tarefa de maneira competitiva. Além disso, esses testadores podem adicionar uma análise aprofundada de quaisquer problemas descobertos.

Além das competições, o Buglab possui um programa chamado Vigilante Protocol, no qual hackers whitehat podem compartilhar o que descobriram como vulnerabilidades do sistema. O Buglab trabalharia com equipes de resposta a emergências (CERTs) em todo o mundo para garantir que as vulnerabilidades não sejam repetidas em outras instâncias.

O Baglab diz que eles pretendem ajudar as empresas de graça, e os hackers whitehat serão recompensados pela reserva do Vigilante Protocol, que será financiada por 20% dos tokens criados pela plataforma.

Abordando as lacunas da segurança cibernética

Na atual corrida armamentista entre segurança cibernética e hackers on-line, parece que o lado da segurança está perdendo. À medida que os profissionais cibernéticos adotam novos métodos para bloquear os hackers. Os criminosos, por sua vez, são capazes de desenvolver seus métodos de maneiras novas e mais imaginativas. Isso não é ajudado pela falta de mão de obra no lado da segurança. Em 2017, os dados de um Estudo Global da Força de Segurança da Informação estimam que, até 2022, haverá um déficit de 1,8 milhão de trabalhadores de segurança da informação.

Com Gartner prevendo a necessidade de US $ 93 bilhões gastos em segurança da informação este ano, o livro branco do Buglab afirma que seu serviço fornecerá uma “plataforma única, competitiva, incentivada e fácil de usar para atender a essa necessidade crescente e crescente de negócios”. que muitas empresas que já possuem sistemas de segurança cibernética podem não estar cientes de lacunas ou pontos fracos em suas defesas. O objetivo do Buglab é ajudar essas empresas a identificar e, assim, mitigar quaisquer lacunas de segurança cibernética que estejam presentes.

Recentemente, o Buglab foi finalista na ICO RACE em Lugano, na Suíça, e — de 16 a 19 de junho — se lançou no Blockchain Economic Forum em San Francisco.

De acordo com o site da empresa, a equipe diversificada por trás do Buglab tem uma vasta gama de experiência e expertise em blockchain e cripto. O desenvolvedor de back-end Alexander Belokon trabalha no código há mais de 15 anos. A fundadora e diretora executiva Reda Cherqaoui trabalhou em uma variedade de ambientes tecnológicos - de bancos a produtos eletrônicos. Ele disse que ajudou gigantes da Internet, incluindo Google e Yahoo, a encontrar vulnerabilidades de graça, e em 2011 sua plataforma chamada Agatha encontrou uma falha no sistema de segurança do Facebook, que dava acesso a contas de usuários sem senhas.

Token Buglab e um roteiro

O token cripto da plataforma, o BGL, é baseado no token compatível com ERC-20 e é usado para potencializar todas as transações no ecossistema do Buglab e como um incentivo de recompensa para os pesquisadores.

O Buglab estará executando um evento de distribuição de token (lista de permissões necessária) a partir de 30 de junho de 2018, por um período de quatro semanas.

De acordo com a empresa, no total, o Buglab criará 425 milhões de tokens de BGL, dos quais 40%, ou 170 milhões serão alocados para o evento de distribuição de tokens. O preço de venda do token BGL está bloqueado em US $ 0,15 pela duração da venda do token. O Buglab oferecerá aos participantes um bônus de 25% durante a pré-venda.

A companhia diz que planejava lançar a versão beta pública da plataforma no terceiro trimestre de 2018, mas devido aos recentes hacks das rodadas Bithumb e Coinrail, a equipe decidiu lançar um beta privado e testar a segurança do host nas casas de câmbio de cripto de graça.

Cada casa de câmbio receberá o plano corporativo de US $ 10.000 e US $ 10.000 como bônus. Se nenhuma vulnerabilidade for encontrada, as casas de câmbio receberão US $ 10.000 para torná-las capazes de executar um concurso de segurança mais tarde. A recompensa será paga aos pesquisadores em tokens após o término das vendas.

O roteiro de 2018 do Buglab após a pré-venda verá a venda pública no terceiro trimestre, juntamente com o início da migração do blockchain e a versão beta pública. Q4 verá o lançamento do Concurso e Vigilante Protocol.

 

Aviso Legal: a Cointelegraph não endossa nenhum conteúdo ou produto nesta página. Embora tenhamos o objetivo de fornecer todas as informações importantes que possamos obter, os leitores devem fazer suas próprias pesquisas antes de tomar quaisquer ações relacionadas à empresa e assumir a total responsabilidade por suas decisões, nem este artigo pode ser considerado como um conselho de investimento.