Opinião: Europa deve abraçar blockchain para evitar "Cibercolonização"

As visões e opiniões aqui expressas são exclusivas do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Cointelegraph.com.

Em 27 de setembro, o Conselho de Competitividade da UE se reuniu em Bruxelas para discutir como apoiar a digitalização da Europa, particularmente no que diz respeito à inteligência artificial - uma área que tem um tremendo potencial, mas também enfrenta uma concorrência global extrema. IA, claro, é executado em dados. A infeliz realidade é que as empresas de tecnologia dos EUA controlam e exploram grandes quantidades de dados europeus, monopolizando, por sua vez, nossa economia digital.

É por isso que eu, entre outros 16 executivos, assinei uma carta aos ministros do conselho - que participaram de um debate sobre políticas públicas e "check-up de competitividade" na reunião de quinta-feira - pedindo um foco nesses monopólios e práticas comerciais injustas , da exclusão de terceiros a alterações espontâneas de termos e condições a interferência injustificada, para citar alguns. Existem alternativas para distribuir os dados e, portanto, a soberania - algo que enfatizei como parte do National Digital Council na França e como líder de inúmeros grupos de trabalho focados em inteligência artificial e privacidade.

A França, por exemplo, tem trabalhado arduamente para atrair grandes investimentos estrangeiros neste espaço, abrindo centros de IA, aparentemente ignorando o fato de que Google, Apple, Facebook e similares não pagam impostos no país, mas ainda assim extraem riqueza significativa com isso. Isso prejudica a inovação e muitas startups locais trabalham duro para melhorar a região. Londres, Paris, Berlim e Zug são destinos tecnológicos populares, mas muitas vezes são ofuscados ou empurrados para fora do mercado por causa dos principais jogadores dos EUA.

O Google, é claro, domina o mercado de buscas na web, realizando 77% de todas as buscas na internet e processando 400.000 a cada segundo - reunindo quantidades significativas de dados no processo. Tal domínio significa, como habilmente colocou o especialista em IA Cedric Villani, que grandes empresas estrangeiras ameaçam a Europa com “cibercolonização”.

As plataformas on-line que mediam a compra e venda respondem por 60% do consumo privado de bens e serviços digitais. A Europa não pode ser negligente e abrir cegamente o seu mercado a plataformas estrangeiras que apenas criam monopólios. Seu objetivo é bloquear tanto compradores quanto vendedores em seu ecossistema - para ser o ponto central da maioria das transações digitais. Esse nível de centralização tornou-se sinônimo de dependência de oligopólios de tecnologia e falta de soberania do país. Até mesmo as empresas “locais” que acreditamos ter trabalhado em IA geralmente são muito dependentes da tecnologia dos EUA.

A boa notícia é que todos os problemas existentes em mercados e plataformas fechadas e proprietárias podem ser resolvidos facilmente com blockchain. Através do GDPR, a Europa e a França já foram as primeiras a regulamentar a privacidade de dados, protegendo os direitos individuais e a soberania digital de gigantes de tecnologia estrangeiros. Blockchain - que de fato se desenvolveu mais rápido na Europa do que no Vale do Silício - pode levar isso um passo adiante, e pode transformar a Europa no próximo Vale do Cripto. IA descentralizada significa que os algoritmos são executados diretamente em dispositivos de usuários finais, impedindo que dados confidenciais sejam enviados para a nuvem.

Além disso, em vez de ter um intermediário entre as pessoas que compram e oferecem bens e serviços digitais, blockchain permite mercados peer-to-peer. Esses mercados geralmente não têm taxas, o que significa que todo o valor pode ser capturado por compradores e vendedores. Por outro lado, quando os gigantes da tecnologia dos EUA detêm o monopólio, podem cobrar taxas significativas, forçar certos tipos de pagamentos e coagir os usuários finais de várias outras formas. Com uma abordagem descentralizada, nenhuma pessoa ou empresa controla o conteúdo. Os fornecedores e compradores decidem por si mesmos o que deve ser incluído no mercado.

Pode ser tentador querer tornar a Europa atraente para alguns dos maiores nomes da tecnologia e da IA, mas devemos reconhecer o que estamos sacrificando ao fazê-lo. Muitas startups locais não podem competir porque ter um monopólio significa que você pode, mais ou menos, fazer o que quiser - mesmo que isso signifique engajar-se em práticas comerciais injustas ou fazer coisas que sejam boas para sua lucratividade, mas ruins para usuários reais. Uma maneira de evitar essa cibercolonização é abraçar as tecnologias descentralizadas. Eles são a chave para a inovação e a soberania.