Educador de cripto nigeriano devolve US$ 80 mil em Bitcoin recebido por engano

Keith Mali Chung - cofundador e presidente da empresa de blockchain africana Loopblock Network - devolveu quase US$ 80.000 em Bitcoin (BTC) enviados por engano para sua carteira.

Chung - que usa no Twitter o nome de “Bitcoin Keith (The African Bitcoin Bull)” - "tuitou" sobre o incidente em 12 de setembro:

"Recebi uma quantia enorme de BTC de um remetente desconhecido e isso definitivamente foi um engano de alguém com quem já devo ter feito alguma transação antes. Por favor, informe-me o horário da transação, seu endereço e o valor exato enviado.

Obrigado. Agradeço o "retuíte"”

O bom samaritano

Em outra atualização em 13 de setembro, Chung revelou que a soma exata de Bitcoin aparentemente acidentalmente transferido era de 7,8 BTC - no valor de US$ 79.482 no momento desta publicação.

Ele também indicou que o remetente, que se mantém anônimo, havia respondido ao seu pedido, o que significa que ele conseguiu devolver o dinheiro. Ele explicou:

“Na África, onde estou, 80% transacionamos a Cryptos através de custódias do WhatsApp e alguém que ele e eu tínhamos negócios no passado cometeu esse enorme erro de enviar 7,8 BTC para minha carteira de blockchain. Espalhei as palavras e ele estendeu a mão."

As ações de Chung lhe renderam uma aclamação significativa da rede social e até o apelido de "bom samaritano africano/nigeriano" no setor cripto do Twitter. Se ele não identificasse o remetente, prometeu doar o dinheiro recebido por acidente à Binance, que organiza uma série de projetos filantrópicos por meio de seu ramo de caridade, a Binance Charity.

Adoção de blockchain no continente

Uma análise do Cointelegraph no início desta semana cobriu desdobramentos recentes no setor blockchain na Nigéria, onde os legisladores estão cada vez mais reconhecendo os benefícios de protocolos descentralizados e sem confiança para melhorar a transparência nas instituições e na governança locais.

Solomon Adaelu, membro da Câmara dos Deputados da Nigéria, argumentou em julho deste ano que a Nigéria deveria liderar a adoção da tecnologia em todo o continente, dizendo:

“A blockchain é para a África e a África deve tirar vantagem disso para reduzir a lacuna no avanço industrial e econômico entre o continente africano e o resto do mundo. No continente africano, a Nigéria deve assumir a liderança como o 'Gigante da África'. "