Novo Raspberry Pi de 35 dólares é o mais poderoso para executar um nó completo do Bitcoin

A Raspberry Pi Foundation lançou em 24 de junho um novo e mais poderoso modelo de seu minúsculo computador de placa única, que custa US$ 35 por unidade e pode rodar nós completos da rede Bitcoin (BTC) a baixo custo.

Versões anteriores do Raspberry Pi têm se tornado populares entre os entusiastas do Bitcoins e defensores da descentralização, pois oferecem baixo custo de entrada e, portanto, uma barreira baixa de entrada para aqueles interessados ​​em rodar seus próprios nós completos na rede.

Isso permite que os usuários verifiquem suas próprias transações através da rede Bitcoin independentemente, sem precisar confiar em serviços de carteira de terceiros.

Ao contrário dos mineradores, que são recompensados ​​com o BTC por validar transações, os nós completos não recebem compensação por sua contribuição para a rede - o que eles fazem na forma de hospedagem e transmissão de cópias atualizadas da blockchain (ou razão de transação distribuída).

O novo Pi está, portanto, aparentemente preparado para tornar o processo e os custos de executar um nó completo mais eficiente para todos os participantes da rede - sejam eles mineradores, empresas ou indivíduos conscientes da privacidade.

No momento desta publicação, quase 23% dos nós de Bitcoin globalmente eram executados nos Estados Unidos, seguidos pela Alemanha, com cerca de 19%.

Um dos populares produtos de nós pré-sincronizados do setor, o Casa Node, contava com um Raspberry Pi embutido - embora as iterações anteriores do modelo tenham frustrado alguns usuários devido à lentidão relatada.

O novo modelo - a quarta versão do computador - supostamente representa um upgrade significativo em versões anteriores. Em seu modelo mais caro - com 4 GB de RAM - o valor é de US$ 55 (excluindo impostos).

A Raspberry Pi Foundation diz que o modelo mais recente suporta 500mA extras de corrente - habilitado pela comutação de USB micro-B para USB-C - garantindo assim que o computador tenha um 1,2A completo para dispositivos USB downstream.

Ele também vem com um novo sistema operacional, que a Fundação alega ter uma série de melhorias técnicas de back-end, velocidade de Gigabit Ethernet, uma interface modernizada, além de suporte para aplicativos atualizados, como o navegador da Web Chromium 74.

Notavelmente, nos anos desde o lançamento do primeiro Pi em 2012, surgiram outras opções de hardware de baixa barreira de entrada - incluindo o smartphone HTC's Exodus 1S, que tem a capacidade de um nó completo Bitcoin e foi lançado em maio deste ano.

Também em maio, o Cointelegraph informou sobre os dados divulgados por Luke Dashjr, desenvolvedor do Bitcoins Core, que indicaram que mais da metade dos nós da rede Bitcoin ainda estavam executando software cliente vulnerável a um bug de inflação descoberto em setembro de 2018.