Relatório da Nasdaq: Apenas cinco por cento dos provedores de TI do mercado de ações implantaram o blockchain

Os fornecedores de TI para mercados de ações e bolsas de valores têm sido lentos em adotar a tecnologia blockchain, disse a Nasdaq ao The Wall Street Journal em 26 de junho.

De acordo com um estudo encomendado pela Nasdaq e realizado pela empresa de pesquisa financeira e tecnologia Celent, a maioria dos fornecedores de infraestrutura de ações global ainda está nos estágios iniciais de exploração dos benefícios da tecnologia de livro-razão distribuído (DLT).

O relatório diz que apenas cinco por cento das empresas pesquisadas implementaram blockchain de alguma forma, em comparação com 40% já usando computação em nuvem, 70 por cento com automatização de processos robóticos e 35 por cento fornecendo soluções de inteligência artificial (AI).

Apesar de 70 por cento dos provedores de TI afirmarem que estão desenvolvendo projetos experimentais, 20 por cento dos entrevistados afirmaram que não têm "planos" para trabalhar nele, outros cinco afirmaram que não tinham conhecimento especializado sobre o assunto.

O estudo entrevistou diretores de informação, diretores de tecnologia e outros líderes de tecnologia seniores em 20 empresas líderes de infraestrutura de mercado em todo o mundo.

Segundo a International Data Corp., o montante estimado de fundos a serem gastos com a adoção de blockchain em todo o mundo é de cerca de US $ 2,1 bilhões em 2018, acima dos US $ 945 milhões em 2017.

Segundo os autores do estudo, Arin Ray, analista sênior da Celent, e Joséphine de Chazournes, antes de aplicar a nova tecnologia, os provedores de infraestrutura de mercado precisam ter certeza de que a tecnologia blockchain fornecerá escalonamento, segurança e velocidade suficientes. Os autores dizem que esses fatores, além da conformidade regulatória, são necessários para que a tecnologia seja implantada nos mercados atuais.

Ray enfatizou que a adoção do blockchain “dentro das principais operações de infraestrutura de mercado pode levar tempo”. De Chazournes acrescentou que pode ser “extremamente difícil” para todas as partes interessadas desenvolver um projeto que substitua um sistema existente, particularmente dentro de uma bolsa internacional. .

Na semana passada, o CEO do banco espanhol BBVA afirmou que a tecnologia blockchain “não está madura” e enfrenta grandes problemas, como “volatilidade das moedas subjacentes” e possíveis problemas de compatibilidade com autoridades fiscais e reguladores financeiros.

No início de maio, a vice-governadora do Banco Central da Rússia, Olga Skorobogatova, criticou de forma semelhante o blockchain, alegando que a tecnologia ainda não é “madura” o suficiente para uso em escala industrial. “A tecnologia s[o por ser tecnologia é inútil”. Ela enfatizou que a comunidade internacional deveria primeiro chegar a uma “compreensão pragmática” dos benefícios do blockchain.