Mike Tyson: ‘Não tenho qualquer envolvimento com o Fight to Fame ou com seu website'

Aviso: Esta história é uma continuação de um artigo publicado pela Cointelegraph em 13 de agosto, que parece ser baseado em fontes defeituosas e que consequentemente deve ser considerado impreciso.

A lenda americana do boxe profissional Mike Tyson negou as notícias de que estaria envolvido com uma plataforma blockchain para lutadores chamada Fight to Fame, que faria parte de um esquema fraudulento.

Em um tweet publicado em 14 de agosto, Tyson declara:

“Eu não estou envolvido com o Fight to Fame ou seu site, nem estarei envolvido com qualquer coisa relacionada ao Fight to Fame agora ou no futuro. Qualquer notícia que fale sobre meu envolvimento não condiz com a verdade.”

No começo de agosto, o Cointelegraph e a VentureBeat publicaram que Tyson serviria como fundador e presidente do comitê de esportes e competição para o suposto projeto de esportes baseado em blockchain, Fight to Fame. O projeto supostamente considerou a emissão de um token chamado Tyson e uma venda no início de junho.

No primeiro semestre, a empresa de análise e pesquisas cripto Cointelligence publicou os resultados de sua pesquisa sobre o projeto e seu fundador e CEO Shi Jianxiang, chamando o Fight to Fame de "fraude total".

O Cointelligence revelou que Shi é procurado pela Interpol e pelas autoridades reguladoras chinesas "sob acusação de fraude e arrecadação ilegal de fundos, que causaram perdas a investidores de mais de 10 bilhões de yuans (cerca de US $ 1,5 bilhão)".

Em 16 de agosto, a esposa e empresária de Tyson, Lakiha Tyson, disse à agência de notícias de tecnologia Modern Consensus que Tyson e ela haviam negociado com o projeto há alguns anos, mas então ficou "muito claro que eles não estavam envolvidos com o Fight to Fame.”

Onde tudo começou

Lakiha Tyson também revelou que as notícias são baseadas em um "contrato incautamente assinado, mas muito preliminar" com o fundador da Fight to Fame, Shi Jianxiang, que inicialmente foi oferecido a Mike Tyson durante um filme de artes marciais de Hong Kong.

Em 2018, Shi forneceu ao Tysons uma termo de compromisso descrevendo brevemente um acordo entre a Tyson e a U.SA-China Motion Picture Association (UCMPA) e sua parceira estratégica, MG Pictures, empresas sob a administração de Shi. O documento especificava que Tyson serviria como presidente do Fight to Fame e receberia uma parte do projeto.

Lakiha Tyson aprovou o acordo, tendo emendado a cláusula especificando que “a parceira e cofundadora Tyson cooperará totalmente com a UCMPA”, e escreveu à mão “conforme acordado por escrito em uma data posterior”. Ela disse:

“Não tínhamos ideia de que essa era uma forma de lançar esse token Tyson. Nós não concordamos com isso. Eu estava possessa a essa altura."