LumenLab, subsidiária da MetLife, testa sistema de seguro blockchain para diabetes

A Lumenlab, centro de inovação digital sediada em Cingapura, está testando uma solução de seguro baseada em blockchain para portadores de diabetes, de acordo com um comunicado publicado em 20 de agosto.

A Lumenlab é uma subsidiária da MetLife, provedora de serviços financeiros, e, segundo relatos, desenvolveu o novo projeto dentro da sandbox regulatória da Autoridade Monetária de CIngapura (MAS).

O piloto, apelidado de Vitana, é um produto de seguro automatizado e paramétrico voltado para aqueles que desenvolvem diabetes gestacional - uma condição que supostamente afeta uma em cada cinco mulheres grávidas em Cingapura. Foi co-desenvolvido com a empresa de seguros SwissRe, a Cognizant, especialista em tecnologia e blockchain no Reino Unido, e com a Vault Dragon, empresa de registros médicos eletrônicos (EMR).

A solução blockchain foi projetada para integrar com segurança os dados do EMR a fim de acionar um pagamento automático no momento do diagnóstico, eliminando efetivamente a necessidade de reivindicações manuais de políticas.

Como a LedgerInsights delineuou após a demonstração de Vitana na Lumenlabs no Consensus no início deste ano, a maior parte dos registros eletrônicos de saúde em Cingapura está vinculada a silos de dados manuais e centralizados. Cingapura residentes que têm cobertura são os primeiros a pagar pessoalmente pelo seu tratamento e só depois reivindicá-lo de volta de sua seguradora.

No novo sistema, o Vault Dragon fornecerá dados EMR com segurança para confirmar ou refutar um diagnóstico: no caso de uma confirmação, um contrato inteligente enviará os detalhes da conta bancária criptografada do cliente à seguradora, solicitando um pagamento automático. Nenhum dado adicional do paciente será agregado ou armazenado nos servidores Metlife.

Como uma análise do Cointelegraph destacou nesta primavera, a tecnologia blockchain vem ganhando cada vez mais força no setor de saúde global para inovar sistemas de compartilhamento de dados, segurança e seguro.

Em abril, o alemão Camelot Consulting Group lançou sua própria solução baseada em blockchain para o gerenciamento de dados médicos confidenciais, argumentando que os sistemas de saúde existentes transferem dados confidenciais de pacientes por meios analógicos, correndo um risco “imensamente alto” de erro e uso indevido.