Ministério da Educação da Malásia combate graus falsos com a tecnologia Blockchain

O Ministério da Educação da Malásia introduziu o E-Skrol, um aplicativo criado na blockchain NEM para lidar com a questão da fraude de certificado através do uso da tecnologia blockchain.

Em um artigo de 19 de setembro, da agência de notícias local Bernama, o Ministério da Educação da Malásia anunciou que o aplicativo blockchain E-Skrol possibilita verificar a autenticidade dos graus educacionais malasianos. Ele estará disponível para todos os públicos e universidades particulares do país.

O aplicativo E-Skrol visa combater os crescentes casos de falsos graus de escolaridade na Malásia, que são obtidos on-line nas chamadas fábricas de diploma.

O ministro da Educação, Dr. Maszlee Malik, afirmou que a questão das falsificações de graus teve um impacto negativo no sistema de ensino superior da Malásia, acrescentando:

“Há pessoas que se apegam à reputação das universidades públicas da Malásia para melhorar seus perfis exibindo certificados falsos. Acredito que a blockchain pode mudar essa situação.’

O ministro da Educação acrescentou que agora qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, pode verificar os dados de qualquer graduado de uma universidade da Malásia, incluindo nome, histórico completo, data de graduação e classe de grau por meio do aplicativo e digitalizar o código QR code, que é impresso nos certificados.

Malásia pretende atrair profissionais de blockchain

Em junho, o Cointelegraph informou que o governo da Malásia lançou um programa de visto de trabalho, direcionado a talentos da blockchain de todo o mundo. O programa visa atrair profissionais estrangeiros que terão o direito de permanecer no país por até 12 meses, para fornecer serviços relacionados a blockchain ou receber treinamento em uma empresa da Malásia.

O vice-presidente de desenvolvimento do ecossistema de crescimento do MDEC, Norhizam Abdul Kadir, disse: "Nós começaremos com trabalhos de blockchain. O número de vistos a serem emitidos depende dos projetos que serão executados pelas empresas de blockchain na Malásia".