Banco central da Malásia: apresentar o RG agora é necessário para qualquer transação com criptos

As casas de cripto câmbio na Malásia devem agora identificar totalmente os comerciantes depois que a nova legislação contra a lavagem de dinheiro do banco central entrou em vigor na terça-feira, 27 de fevereiro.

Uma cópia da legislação e do comunicado de imprensa oficial do Banco Negara Malaysia (BNM) afirma que quaisquer câmbios que ofereçam negociações de cripto-para-fiat, fiat-para-cripto e até mesmo cripto-para-cripto devem "Identificar o cliente e verificar a identidade do cliente."

Como o Cointelegraph relatou em novembro de 2017, prevendo os regulamentos, o governador do BNM, Tan Sri Muhammad bin Ibrahim, enfatizou a necessidade de controlar o potencial uso criminal de moedas digitais.

"O advento das moedas digitais, como alguns previram, marcará o início de uma nova era no setor financeiro. Como autoridades, não podemos ignorar esses desenvolvimentos," disse o diretor do BNM.

Agora, os operadores de câmbio devem cumprir os vários estatutos referentes a "due diligence do cliente" (CDD) antes de permitir que as contas novas e existentes continuem com atividade legal.

De acordo com a legislação, são necessários "documentos confiáveis e independentes de origem, dados ou informações" e, especificamente, um documento de identidade emitido pelo governo:

"Ao conduzir CDD em um cliente individual e beneficiário efetivo, a instituição relatora é obrigada a obter pelo menos as seguintes informações:

(a) nome completo;

(b) Número do RG ou número do passaporte ou número de referência de qualquer outro documento oficial que ostente a fotografia do cliente ou o beneficiário efectivo;

(c) endereço residencial ou postal; (d) data de nascimento; (e) nacionalidade; e (f) propósito da transação"

As etapas formais para adicionar transparência aos mercados comerciais de criptomoedas são tradicionalmente vistas com otimismo pelos proponentes.

Na Ásia, O programa de licenciamento de câmbio do Japão, cujos preparativos começaram em abril do ano passado, tem servido para aumentar o peso do argumento de que tais medidas são necessárias para permitir que a criptomoeda estreie para um público muito maior.

A vizinha Coréia do Sul também está considerando um esquema de licenciamento para as eleições de junho deste ano, tendo previamente estipulado todos os usuários de casas de câmbio devem apresentar a identidade da sua conta ao seu banco.