Malásia pode impor limite de transações em dinheiro de US$ 6 mil em 2020

A Malásia planeja impor um limite de US$ 6.000 para transações em dinheiro em 2020, segundo um vice-governador do banco central do país. As novas restrições visam impedir o uso de dinheiro em atividades ilícitas e não afetam instituições financeiras regulamentadas ou outras entidades que fazem transações para fins de ajuda humanitária.

Família de classe média na Malásia gasta US$ 1.900 por mês

Abdul Rasheed, vice-governador que trabalha no Bank Negara Malaysia (BNM), afirmou que as medidas serão aplicadas a todas as transações envolvendo dinheiro físico, incluindo pagamentos de bens e serviços, relata o jornal local The Star.

O limite de 25.000 ringgits da Malásia (US$ 6.048) também será aplicado a doações e transferências entre entidades como pessoas e empresas, observa o texto.

De acordo com Rasheed, que também atua como presidente do Comitê Nacional de Coordenação de Combate à Lavagem de Dinheiro, a maioria das famílias da Malásia gasta cerca de 8.000 ringgits (US$ 1.935) por mês. Rasheed também observou que as multas por violar as medidas propostas não excederão o triplo do valor do crime cometido.

O BNM aguarda o retorno do público sobre as medidas propostas

Rasheed destacou a necessidade de um limite de transações em dinheiro no país, devido à natureza anônima das transações em dinheiro. Em uma matéria da publicação local The Edge Media Group, Rasheed diz:

"O dinheiro permanece amplamente exposto a abusos através de atividades ilegais. Desta forma, essa medida visa grandes transações em dinheiro, que correm um risco maior de serem maliciosas. Isso também não impede os pagamentos em dinheiro legítimos de bens e serviços - a maioria para boletos de pequeno valor e outros itens."

Citando práticas semelhantes adotadas pela Indonésia, Rasheed expressou sua vontade de coletar a opinião do público sobre o assunto. Ele destacou ainda que as políticas públicas geralmente levam cerca de seis meses para implementação.

Em agosto de 2019, o governo australiano introduziu uma lei que propõe a proibição de transações em dinheiro acima de US$ 6.900, incluindo as operações envolvendo moedas digitais. Mais de 7.000 pessoas posteriormente assinaram uma petição contra a proposta.