Banco Central lituano inicia diálogo sobre criptomoedas entre bancos, reguladores e comerciantes

O Banco da Lituânia começou a investigar crises acerca das criptomoedas, iniciando um diálogo entre bancos comerciais, reguladores do governo e comerciantes cripto, reportou hoje ,15 de Abril, o jornal local The Baltic Times.

O banco central havia convidado representantes do Ministério da Fazenda, do Serviço de Investigação sobre Crimes Financeiros (FNTT), do setor bancário e do setor de oferta inicial de moedas para uma recente mesa redonda cripto, de acordo com Jekaterina Govina. o coordenador fintech ​de estratégia do Banco da Lituânia.

Govina observa que, independentemente dos riscos associados às criptomoedas, “a negação cega, a relutância em entender e trabalhar com o mundo das moedas digitais não leva a lugar nenhum”, e continua:

"É necessário que os bancos falem com aqueles que realizaram uma ICO ou aqueles que convertem cripto para fiat. Um diálogo foi estabelecido e resta saber onde ele nos levará ”.

O banco central da Lituânia emitiu um documento em outubro do ano passado detalhando sua posição em relação às ICOs e criptomoedas. No documento, eles afirmam que os participantes do mercado financeiro (PMF) devem separar suas atividades de serviços financeiros daquelas associadas à moeda virtual. O documento também afirma que o FMP deve fornecer serviços financeiros a clientes que estejam envolvidos em atividades associadas à gestão dos riscos de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo ao fornecer serviços a clientes que estejam lidando com criptomoeda.

De acordo com o The Baltic Times, embora o banco central da Lituânia exija uma “separação clara” entre serviços financeiros tradicionais e atividades relacionadas à cripto, o banco “emitirá licenças de forma barata e rápida” - evidentemente para ICOs - e aceitará pedidos de licença em inglês, como parte de seu objetivo de se tornar um “centro de tecnologia de ponta europeu”.

Segundo relatos, um problema para os negócios relacionados à criptomoedas na Lituânia é a dificuldade de trabalhar com bancos, de acordo com Vytautas Kaseta, membro do conselho do Blockchain Centre Vilnius:

"Os bancos comerciais não entendem a natureza do cripto e o modelo de negócios. Portanto, eles consideram um negócio de alto risco e exigem provas adicionais da origem do dinheiro e do investimento, muitas vezes se recusam a abrir contas para as empresas. ”

Em resposta, a Associação de Bancos da Lituânia (LBA) disse que, embora seja necessário um diálogo, o potencial para as criptomoedas desempenharem um papel em atividades ilegais significa que há uma necessidade de comprovação da fonte de recursos de um cliente:

“Estamos interessados em conversar com todos para entender melhor os modelos de negócios uns dos outros, mas a proteção ao consumidor, a lavagem de dinheiro e a prevenção do financiamento do terrorismo são prioridades que devem ser garantidas. Entendemos na reunião que alguns dos participantes do mercado cripto não podem dizer de onde vem o dinheiro. Este é um problema sério, e eles não perceberam que isso era um problema ”.

Em novembro do ano passado, os ministros das Finanças da Lituânia, Estônia , e Letônia assinaram um memorando de entendimento para cooperação financeira, incluindo apoio e inovações Blockchain nos países bálticos.