Litecoin faz 8 anos e Charlie Lee diz que a fundação não está nem perto da falência

Na comemoração do oitavo aniversário do Litecoin (LTC) em 13 de outubro, Charlie Lee, seu fundador, teve que se defender do FUD - medo, incerteza e dúvida - no Twitter sobre a altcoin.

A postagem original de Lee foi o anúncio exuberante de que:

“A rede Litecoin está em funcionamento contínuo nos últimos 8 anos com zero tempo de inatividade. E nesse período de tempo, mais de US$ 500.000.000.000 em LTC já foram transacionados. Ansioso pelos próximos 8 anos e mais!"

"Temos dinheiro bastante para operar por 2 anos"

A primeira resposta ao post de aniversário imediatamente levantou o espectro das alegações de falência, às quais Lee retorquiu com firmeza:

“[A Litecoin Fundation] não está perto da falência. Não ouça bobagens e mentiras idiotas. Temos dinheiro bastante para operar por 2 anos.”

As alegações foram desencadeadas por um relatório da TrustNodes na semana passada que alegava que a Litecoin Foundation havia perdido de US$ 1 milhão em receita em 2018 e estava US$ 70.000 no vermelho em 2019.

Na época, Lee havia respondido ao relatório com uma declaração de que a Fundação tinha uma força estimada de 1 a 2 anos - com cerca de US$ 200.000 em seus cofres.

Ele acrescentou que as perspectivas financeiras da empresa também seriam guiadas pelo resultado da vindoura Litecoin Summit, a ser realizada no final de outubro em Las Vegas.

Os palestrantes incluirão figuras de destaque da indústria, como o fundador da Morgan Creek Digital Assets e apresentador de podcast Anthony Pompliano, a presidente da Força-Tarefa do Blockchain do Wyoming, Caitlin Long, Bobby Lee, cofundador e ex-CEO da exchange BTCC, entre outros.

Acusações amargas em meio à alegria do aniversário

Com o Litecoin sendo negociado em cerca de US$ 57 no momento, a altcoin caiu quase 60% em relação aos máximos de junho de 2019 - refletindo o resfriamento mais amplo dos mercados de cripto.

O próprio Lee vendeu e doou todas as suas participações em LTC em dezembro de 2017 - no auge da alta histórica dos mercados de cripto: uma decisão que ele explicou motivada por um desejo de evitar qualquer conflito de interesses e um passo em direção à completa descentralização da rede.

Enquanto alguns "tuiteiros" de criptomoedas pareciam amargurados com a decisão de Lee de vender a preços altos, outros o defendiam, apontando o papel do fundador em alertar outros contra o comércio superaquecido, pois ele previa que um "mercado de baixa plurianual" aconteceria após dezembro de 2017.