Presidente do banco central libanês critica o Bitcoin como commodities

O presidente do banco central libanês Banque du Liban (BDL) Riad Salameh afirmou que o Bitcoin e outras moedas virtuais são produtos "não regulamentados" cujo uso deve ser proibido. Ele também disse que as moedas digitais serão ineficazes como moedas nacionais porque são apenas "commodities".

Na cerimônia de abertura do 7º Fórum do Líbano de Responsabilidade Social Corporativa no final de outubro de 2017, Salameh disse aos participantes que o BDL proibia o uso das criptomoedas no Líbano devido à sua natureza parecida com a das commodities. Ele afirmou ainda que o dinheiro acabaria por ser digitalizado no futuro.

"Estes [Bitcoin] não são moedas, mas sim uma mercadoria cujos preços sobem e caem sem qualquer justificativa. Por essa razão, o BDL proibiu o uso desta moeda no mercado libanês. Compreendemos que a moeda eletrônica desempenhará um papel proeminente no futuro. Mas o BDL deve primeiro tomar as providências necessárias antes de dar esse passo e desenvolver [um] sistema de proteção contra o cibercrime".

Líbano lança sua própria moeda digital

No fórum, Salameh também anunciou o plano do banco central de introduzir sua própria moeda digital. Ele, no entanto, não revelou se a moeda será baseada na tecnologia Blockchain, que está por trás do Bitcoin e das outras moedas virtuais. É possível que o BDL utilize outras formas de tecnologia para criar uma moeda digital centralizada no Líbano como está sendo feito por outros países.

Países independentes, como o Equador e a Suécia, estão estudando o possível uso de outras tecnologias na criação de seu próprio dinheiro digital. Outras nações como a China estão estudando o uso do Blockchain para suas próprias moedas digitais.

Salameh não forneceu um cronograma de quando o banco central lançará sua moeda digital. Ele afirmou que o dinheiro digital estará "disponível nos próximos anos".