JPMorgan considera tornar a plataforma Blockchain Quorum em uma entidade independente

O JPMorgan Chase está considerando tornar o Quorum, sua plataforma Blockchain de contratos inteligentes em sua própria empresa, Bloomberg informou ontem, 23 de março.

Uma fonte não identificada disse à Bloomberg que ainda não foi concluída nenhuma conclusão sobre se o Quórum funcionaria melhor como uma entidade independente, o que poderia atrair mais parceiros. O Financial Times acrescenta que outras fontes não identificadas disseram que o rótulo do JPMorgan ligado ao Quorum pode estar afastando potenciais parceiros que também são concorrentes do JPMorgan.

Brian Marchiony, porta-voz do JPMorgan, disse em um e-mail que a empresa "continua acreditando que a tecnologia de contabilidade distribuída terá um papel transformador nos negócios, e é por isso que estamos ativamente construindo várias soluções blockchain". Marchiony acrescentou que eles não vão “comentar sobre especulação”, mas:

“O Quorum tornou-se uma plataforma empresarial extremamente bem-sucedida, mesmo para além dos serviços financeiros, e estamos entusiasmados com o seu potencial”.

O JPMorgan criou o Quorum em 2016 como parte da Ethereum Enterprise Alliance (EEA), da qual foi um dos sócios fundadores. A EEA, lançada em fevereiro de 2017 como uma maneira de trazer privacidade, escalabilidade e segurança para o Ethereum Blockchain, agora tem mais de 200 membros, incluindo o JPMorgan e o Santander, além de membros mais novos como MasterCard, Intel e Microsoft.

A plataforma Quorum, que é executada no Ethereum (ETH) Blockchain e é modelada após o cliente Ethereum Go, é usada pelas empresas farmacêuticas Pfizer e Genentech, bem como Microsoft Azure, entre outros.

Embora o JPMorgan tenha adotado as tecnologias Blockchain por trás de criptomoedas, o CEO Jamie Dimon fez declarações conflitantes sobre criptos, em um ponto chamando Bitcoin (BTC) uma “fraude” mas depois contou ao Cointelegraph que ele não é "cético".

No início de fevereiro deste ano, o JPMorgan havia se referido às criptomoedas como o “turbilhão inovador” em torno das tecnologias Blockchain que “é improvável que desapareçam”. O JPMorgan também havia escrito em seu relatório anual no final de fevereiro que as criptomoedas eram um risco que poderiam perturbar as instituições financeiras.