CIO do JP Morgan: Blockchain substituirá a tecnologia existente

A CIO do JP Morgan, Lori Beer, disse em coletiva de imprensa em Buenos Aires que o blockchain "substituirá a tecnologia existente" em poucos anos, segundo o site argentino Cripto247 em 23 de agosto.

“Teremos um maior e mais amplo uso do blockchain [...] Em alguns anos o blockchain substituirá a tecnologia existente, que hoje só coexiste com a atual”, disse Beer.

Beer explicou ao Cripto247 que a JP Morgan usa a tecnologia blockchain para "simplificar o processo de pagamento e armazenar informações dos clientes relacionadas à política KYC (COnheçamseu Cliente)". Ela acrescentou que a tecnologia blockchain ajuda a evitar a lavagem de dinheiro. Beer explicou ainda o uso da tecnologia blockchain pelo banco:

“Atualmente, estamos seguindo muitos caminhos. Nós inventamos um blockchain com um código aberto baseado no Ethereum. A tecnologia real do blockchain ainda não resolveu problemas com privacidade e escalabilidade que precisávamos. Estamos conectados ao Hyperledger e Enterprise Ethereum Alliance. A aplicação desta tecnologia nos negócios é mais importante para nós do que a própria tecnologia. Estamos procurando não apenas a redução de custos, mas também oportunidades de desenvolvimento de novos produtos.”

Beer também foi questionado sobre a posição do JP Morgan em comprar criptomoedas. Ela explicou que o banco apenas apoia o que é regulamentado e tem especialistas que estão "avaliando o que está acontecendo" com moedas virtuais. Quando perguntado sobre a posição institucional em relação às Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs), Beer preferiu não responder.

No início de agosto, a Cointelegraph informou que o CEO do JP Morgan Chase, Jamie Dimon, estava otimista em relação ao blockchain. "O [JPMorgan] está testando [blockchain] e vai usá-lo para muitas coisas", disse ele.

Em maio, o JP Morgan Chase registrou uma patente para uma rede de pagamentos peer-to-peer com blockchain que poderia ser usada para liquidações intra e interbancárias. O pedido de patente propõe o uso de um livro-razão distribuído para processar pagamentos em tempo real, sem ter que depender de um terceiro confiável para manter a verdadeira "cópia de ouro" da trilha de auditoria.