J.P. Morgan Chase processada por cobrar "taxas surpresa" em compras de cripto

A J.P. Morgan Chase & Co, um provedor líder global de serviços financeiros e uma das maiores instituições bancárias do EUA , foi processado por cobrar taxas não declaradas a clientes que usaram seus cartões de crédito para comprar criptomoeda , tratando as compras como adiantamentos em dinheiro, segundo a Reuters relatou em 11 de abril.

O processo foi aberto na terça-feira em um tribunal federal em Manhattan em nome de uma classe nacional proposta, acusando o banco de cobrar taxas adicionais, taxas de juros altíssimos sobre os "adiantamentos em dinheiro" e se recusando a reembolsar as taxas aos clientes que reclamaram.

Brady Tucker, o demandante, alega que o banco lhe cobrou $143,30 em honorários e $20,61 em juros para transações de criptomoeda feitas em janeiro e fevereiro. Tucker tentou contestar as acusações através da linha de atendimento ao cliente da Chase, mas o banco recusou.

O processo alega que a J.P. A Morgan Chase & Co violou a lei da verdade nos empréstimos dos EUA, que exige a divulgação de alterações de políticas aos clientes por escrito. O processo pede para “recuperar os danos financeiros reais da Tucker e mais danos estatutários no valor agregado de $1 milhão, mais seus custos desta ação e honorários advocatícios e despesas razoáveis incorridos”, de acordo com a queixa apresentada ao tribunal.

Em 3 de fevereiro, a Chase juntou-se a uma onda de bancos proibindo clientes de comprar criptomoedas com cartões de crédito. O banco afirmou posteriormente que instituições financeiras podem “enfrentar o risco de processamento de pagamentos e outros serviços serem interrompidos por tecnologias, como criptomoedas. ”

Um representante da J.P. Morgan Chase & Co se recusou a comentar sobre a alegação legal, afirmando que os clientes podem continuar usando seus cartões de débito Chase para comprar moedas digitais.