Jamie Dimon diz que o JPMorgan vai usar o Blockchain "para muitas coisas"

Jamie Dimon, do JPMorgan Chase, foi otimista em relação à tecnologia blockchain, mas evitou comentar sobre criptomoeda, dizendo que os aplicativos de pagamento fiduciários são "o maior potencial de disrupção de nossos negócios" em uma entrevista publicada na edição de julho e agosto da Harvard Business Review.

Quando perguntado sobre a principal ameaça competitiva a sua empresa, Dimon, presidente e CEO do JPMorgan Chase — o maior do "Big Four" dos bancos americanos — destacou o que ele chamou de “novas formas de pagamento”. Especificamente nomeando PayPal, Venmo e Alipay, Dimon disse que “ essas empresas estão fazendo um bom trabalho ao incorporar serviços bancários básicos em seus bate-papos, em suas experiências sociais e em compras.”

Embora ele não tenha mencionado a cripto como um possível disruptor, quando foi questionado sobre sua opinião sobre criptomoeda na seguinte pergunta, Dimon simplesmente respondeu: “Eu provavelmente não deveria dizer mais sobre criptomoedas”. Dimon realmente argumentou que a cripto “não é o mesmo que moedas de ouro ou fiduciário", que são "apoiadas pela lei, polícia, [...] tribunais [não] são replicáveis, e há restrições sobre elas". Dimon também fez questão de chamar a tecnologia blockchain de "real" — o que implica que a cripto não é — dizendo que o JPMorgan está “testando [o blockchain] e vai usá-lo para um monte de coisas”.

Embora a posição oficial do JP Morgan sobre a criptomoeda e a opinião de Dimon nem sempre coincidam, ambos viram uma mudança no último ano. Em 13 de setembro de 2017, Dimon supostamente chamou o Bitcoin de “fraude” na reunião de investidores, além de ameaçar demitir qualquer funcionário que comercializasse Bitcoin nas contas da empresa.

Algo contrário ao que Dimon disse à Harvard Business Review em sua recente entrevista, em um comunicado da SEC em 27 de fevereiro, o banco apontou a criptomoeda sob a subseção "Competição" do relatório, dizendo que poderia "pressionar os preços e as taxas dos produtos do JPMorgan Chase". e serviços ou pode fazer com que o JPMorgan Chase perca participação de mercado.”

Em fevereiro deste ano, um relatório interno do JPMorgan também chamou as criptomoedas de “face do turbilhão inovador em torno da tecnologia blockchain”.

Ao falar com a Cointelegraph em Davos em janeiro, Dimon assumiu uma posição mais parecida com o que ele disse à revista Harvard Business, dizendo que "não pode responder", mas também alegando que ele "não era um cético".

Nos últimos meses, no entanto, o JPMorgan — e, evidentemente, Dimon — tem mais explicitamente saído como otimista no blockchain, com o banco até mesmo apresentando uma patente relacionada ao blockchain em 3 de maio.

Em 17 de maio, o JPMorgan anunciou que havia criado e preenchido uma nova posição de chefe de estratégia de ativos cripto.