Itália: Empresa de direito apresenta petição de falência contra a casa de câmbio de cripto hackeada BitGrail

A BonelliErede, firma de advocacia italiana que representa vítimas da casa de câmbio cripto hackeada BitGrail, entrou com uma petição em um tribunal italiano para declarar a falência da casa nos termos do artigo 6 da Lei italiana de Falências, anunciou um representante da BonelliErede na sexta-feira, 27 de abril.

O movimento representa o mais recente desdobramento em uma guerra de palavras e advogados que explodiu entre o proprietário da BitGrail, Francesco "The Bomber" Firano, e a Nano Foundation, já que a casa de câmbio informou a perda de 17 milhões de tokens Nano (XRB), (no valor de cerca de US $ 187 milhões no momento em que foi relatado e de US $ 124 milhões no momento da confecção do texto). Em uma entrevista à CT, Firano alegou que o roubo data de 19 de janeiro, mas foi relatado pela primeira vez em 8 de fevereiro de 2018.

De acordo com uma publicação no Medium publicada pelo BitGrailVictimsGroup, a BonelliErede está apresentando a petição de falência em nome de um credor da BitGrail, Espen Enger, com quem mais de 3.000 reclamantes até agora supostamente fizeram contato. A maioria das vítimas teria dito a Enger que “preferem uma contabilização imediata dos ativos da BitGrail na falência”, temendo o esgotamento de seus ativos:

“Ao pedir uma declaração de falência, foi tomada a decisão de confiar no sistema legal italiano para resolver o conflito. Estamos confiantes de que as autoridades italianas estão melhor equipadas para exigir que o Sr. Firano divulgue os fatos do que ocorreu [...]. [Nós] buscamos uma distribuição equitativa dos ativos em vez de permitir resoluções privadas em que algumas vítimas podem lucrar com outras".

Em fevereiro, os desenvolvedores do Nano publicaram uma acusação de que Firano pediu que o livro-razão do altcoin fosse modificado "para cobrir suas perdas", além de supostamente "enganar" a comunidade em relação à solvência da bolsa.

Firano contra-atacou que a falha não estava na casa, mas originou-se com o protocolo “totalmente não confiável” da Nano, apontando para inconsistências no registro de data e hora no explorador de blocos Nanode.

Na metade de março, a BitGrail se comprometeu a reembolsar as vítimas, propondo cobrir 80% dos prejuízos com a emissão de sua própria ação, a BitGrail Shares (BGS), com os 20% restantes em XRB. A advertência era que as vítimas precisariam assinar um acordo para abrir mão de qualquer ação legal contra a casa.

A saga legal, no entanto, decolou em abril, quando uma ação coletiva dos EUA exigiu que a equipe Nano Core promovesse um hard fork do protocolo do token para compensar as vítimas. Desde então, a Nano decidiu patrocinar um fundo legal para fornecer todas as vítimas do BitGrail com representação legal, em colaboração com BonelliErede e Enger.

De acordo com uma pesquisa do Twitter de 18 de fevereiro feita pelo próprio “The Bomber”, 79% dos 7.610 entrevistados no Twitter prefeririam ver a falência da casa de câmbio, em vez de vê-la reaberta.

O que você preferiria que a BitGrail fizesse?

As violações de casas de câmbio de cripto anteriores produziram várias controvérsias sobre compensaçãoculpabilidade e ramificações de mercado..