O órgão de fiscalização Italiano pede que empresas cripto não autorizadas encerrem operações

A Comissão Nazionale per la Società e la Borsa (CONSOB) ordenou que três empresas cripto, que fornecem serviços de investimento não autorizados, fechem, segundo comunicado oficial divulgado na segunda-feira, 19 de novembro.

A primeira empresa, uma plataforma de negociação chamada Richmond Investing, supostamente violou a Lei Consolidada de Finanças (TUF) - uma lei fundamental que rege os mercados financeiros italianos - ao não se registrar como intermediário financeiro no país.

O regulador do mercado de valores mobiliários italiano também suspendeu as atividades de duas outras empresas, Crypton Ltd. e Eagle Bit Trade, juntamente com o indivíduo Alessandro Brizzi representando a Cryptoforce Ltd., por 90 dias.

De acordo com o comunicado, a CryptoForce, empresa especializada em minas de Proof-of-Stake (PoS), promoveu uma criptomoeda apelidada de “Crypton”. Brizzi estava anunciando a CryptoForce no Facebook, enquanto a Eagle Bit Trade oferecia “pacotes de comércio” ostensivamente não autorizados a investidores italianos.

A ação de fiscalização do CONSOB ocorre em meio aos recentes apelos para restringir a regulamentação de criptos na U. E. Em setembro, o think tank Bruegel, de Bruxelas, pediu à ministros para um maior escrutínio sobre como as moedas digitais foram distribuídas aos investidores.

Em novembro, o regulador financeiro alemão BaFin ordenou a cessação parcial das atividades da Finatex Ltd., empresa ligada à criptos sediada no Reino Unido. A empresa foi ordenada a cessar suas atividades, uma vez que suas atividades não foram aprovadas pela legislação financeira alemã, incluindo a Lei Bancária Alemã.

Embora a Itália não tenha um quadro formal para o setor de criptomoedas, em março, o Ministério da Economia italiano anunciou a criação de um decreto que classificaria o uso de criptomoedas no país e listaria os provedores de serviços relacionados a moedas digitais.

De acordo com a Finance Magnates, o governo italiano não proibiu instituições financeiras de lidar com moedas cripto, mas recomendou que esperassem até que as regulamentações formais fossem introduzidas.