Ilha da estabilidade: Moedas estáveis continuam atraindo investidores de grande liga

Em 17 de julho, a IBM anunciou seu envolvimento em um projeto de moeda estável, indexado ao dólar, chamado Stronghold. Enquanto o titã da TI não é novo no o mundo da cripto, as moedas estáveis têm atraído mais jogadores mainstream ultimamente, e os grandes investimentos da liga — de nomes como Andreessen Horowitz e Peter Thiel — começaram a chegar. Aqui está o maior avanço feito neste campo nos últimos meses, juntamente com as razões pelas quais ele poderia ter atraído grandes investidores.

O que são moedas estáveis e por que precisamos delas?

A Cointelegraph já cobriu anteriormente o conceito de stablecoins (moedas estáveis) em profundidade. Essencialmente, as moedas estáveis visam combater a volatilidade — um dos principais dilemas das criptomoedas — sem comprometer seus valores essenciais assegurados pelas blockchain: a saber, descentralização e segurança — embora nem sempre tenham conseguido fazê-lo, como será explicado abaixo.

De acordo com seu nome, as moedas estáveis são projetadas para manter seu preço fixo, tornando-as imunes à negociação de manipulação. Pode-se argumentar que a estabilidade de preços ajudará a provocar a adoção massiva de criptomoedas, já que elas parecem mais confiáveis e, portanto, atraentes para os principais agentes financeiros. O recente acordo da IBM - juntamente com outros investimentos mencionados neste artigo — confirma parcialmente essa suposição.

Em uma escala menor, moedas estáveis permitem que investidores casuais negociem sem problemas, transferindo rapidamente dinheiro entre trocas de cripto e ignorando transferências bancárias convencionais e demoradas —muitas trocas de criptomoeda não apoiam nenhuma ordem, tornando essas moedas estáveis uma undade essencial de conta.

Além disso, a criptomoeda estável pode ser útil para países com economias em crise, onde moedas soberanas instáveis e altas taxas de inflação ameaçam os padrões internos de vida. Embora qualquer criptomoeda possa potencialmente desempenhar esse papel, as moedas estáveis são mais úteis para fins de varejo devido à sua baixa - quase inexistente — volatilidade.

Três tipos de moedas estáveis podem ser descritas, dependendo do tipo de colateralização que elas implicam.

Os fiduciários colateralizados são atrelados a moedas soberanas, como o dólar americano (USD). Essas moedas estáveis são, sem dúvida, o tipo mais fácil e mais comum de implementar, pois funcionam muito como as notas promissórias — documentos informais que reconhecem uma dívida. Cada token é associado a uma quantidade igual de moeda fiduciária, que é mantida por um custodiante central. Os titulares podem resgatar suas moedas pelo valor estável denominado em fiat. Às vezes, essas moedas estáveis são atreladas a recursos naturais: por exemplo, a moeda estável Digix (DGX) está vinculada ao preço de 1 grama de 99,99%, ouro aprovado pela LBMA. Consequentemente, as moedas lastreadas por fiat não implicam um sistema sem confiança — como se confia, em última análise, em custodiantes - e, portanto, não podem ser consideradas uma verdadeira criptomoeda: antes, um híbrido cripto.

As moedas cripto colateralizadas são respaldadas por reservas compostas por outras criptomoedas. Naturalmente, eles exigem colateralização excessiva para garantir margem de manobra, caso a moeda colateral caia em valor. Assim, ao emitir uma moeda estável de $ 1, você deposita $ 2 da moeda colateral, e ela fica com 200% garantida por motivos de emergência. No final, as moedas estáveis de encosto cripto ainda dependem de fatores externos, como o preço de certas criptomoedas.

Os tokens não colateralizados são a coisa mais próxima das criptomoedas descentralizadas. Eles contam com um modelo de contrato inteligente, programado para emular um banco de reserva. Essencialmente, aumenta e diminui a oferta de dinheiro para que o valor final permaneça o mais próximo possível do valor de um ativo indexado — digamos, USD. A principal desvantagem dessas moedas estáveis é a dependência de uma base de usuários em constante crescimento, já que, de outro modo, seria impossível manter a pegada do mercado.

Prefácio: Tether, o controverso pioneiro

Tether (originalmente apelidado de "Realcoin") é um token alimentado por blockchain emitido pela Tether Limited, uma suposta empresa sediada em Hong Kong que é afiliada com os proprietários da Bitfinex — uma das maiores casas de câmbio cripto do mundo. Foi anunciado pela primeira vez em julho de 2014, embora o projeto tenha sido amplamente atualizado em 2017. Atualmente, o Tether é a décima maior criptomoeda, com US $ 2.703.694.156 de criptomoeda no mercado, de acordo com dados obtidos no coinmarketcap.com.

Como na esmagadora maioria das moedas estáveis, o principal argumento do Tether é que cada token (USDT) é garantido por um dólar americano, o que significa que ele seria negociado a 1 por 1, o que tem acontecido até agora — no entanto, a moeda atraiu atenção negativa devido a outras razões.

Os dólares que apóiam os tokens são armazenados em uma conta bancária — pelo menos, como afirma Tether. Infamemente, Tether se viu no meio de um escândalo quando não realizou uma auditoria de terceiros para provar que a empresa tem dinheiro suficiente para sustentar seus tokens. No final de junho de 2018, finalmente forneceu um documento — embora tenha sido um memorando concluído por um escritório de advocacia, não uma auditoria realizada por uma empresa de auditoria.

Além disso, em dezembro de 2017, a Tether ficou sujeita à investigação de um regulador dos EUA após receber uma intimação. Alegadamente, o Tether e o Bitfinex podem ter estado envolvidos em um importante caso de manipulação de preço do Bitcoin, como sugere um relatório da Bloomberg.

Acrescente-se um hack de US $ 31 milhões que a Tether experimentou em novembro de 2017 — embora sua equipe tenha conseguido recuperar o controle, lançando rapidamente um garfo duro — e parece que, nesse ponto, o Tether já percorreu um longo caminho para provar sua legitimidade e eficácia como uma moeda estável. No entanto, o conceito de moeda estável se mantém e continua atraindo investidores, à medida que surgem novas moedas. Este artigo listará os investimentos mais recentes em tais projetos, enquanto a lista geral de moedas estáveis é, de fato, muito mais extensa e inclui projetos como HavvenDAIbitCNY — ligados ao yuan chinês — entre outros.

Basis: Token não colateralizado preferido de grandes investidores

Em 18 de abril, a startup americana de moedas estáveis chamada Basis (anteriormente conhecida como Basecoin), informou ter arrecadado US $ 133 milhões em captação privada de grandes investidores de capital de risco — incluindo a Bain Capital Ventures e Andreessen Horowitz, bem como um ex-Federal Reserve. governador Kevin Warsh.

A Basis foi lançada em 2017 com o objetivo de fornecer uma moeda estável através de operações automatizadas, realizada por "banco central algorítmico" baseado em blockchain, o que significa que não é garantida — em outras palavras, não garantida, mas ainda assim atrelada ao dinheiro fiduciário. Essencialmente, seu conceito gira em torno da ideia de que os bancos centrais estabilizam os preços das moedas, mas são propensos a erros humanos, enquanto a base é baseada apenas em mecanismos automáticos e, portanto, é supostamente mais segura.

Não se sabe quando o token será apresentado ao mercado, já que o CEO da Basis, Nader Al-Naji, se recusou a revelar qualquer detalhe.

TrustToken: Listado na Binance, token apoiado por fiduciário disponível a investidores públicos

O TrustToken é uma plataforma de tokenização que desenvolveu o TrueUSD, um token com garantia fiduciária (indexado a USD), que é semelhante ao Tether nesse sentido. No entanto, em um esforço para aumentar a transparência, as reservas do TrustToken são mantidas em contas de depósito, que oferecem auditoria diária e proteção legal para os detentores. Além disso, a startup tem colaborado com escritórios de advocacia — Cooley e WilmerHale — para desenvolver uma estrutura legal para TrueUSD, o que significa que a infâmia de Tether é menos propensa a assombrá-lo.

Em maio, o TrueUSD foi listado na Binance — a maior plataforma de criptomoedas do mundo — embora com um pequeno contratempo: em um ponto, o token estava sendo negociado por US $ 1,40, o que é uma imprecisão significativa para uma moeda estável baseada em moeda fiduciária.

Ainda assim, o TrustToken conseguiu atrair ainda mais capital de grandes investidores: em junho, arrecadou mais US $ 20 milhões em uma rodada de financiamento estratégico, incluindo a BlockTower Capital, a Andreessen Horowitz, a Danhua Capital, a GGV Capital e outras. Além disso, o token foi listado no Coinlist, o que significa que está pronto para receber financiamento público de investidores credenciados e continuar reforçando suas reservas.

Stronghold: IBM entra no jogo das moedas estáveis

A IBM não é nova no setor de criptografia. A gigante de TI já se associou à startup Stellar para usar o blockchain para melhorar a eficiência das cadeias de suprimento e pagamentos transfronteiriços. Desta vez, a IBM está apoiando a moeda estável Stronghold, também impulsionada pela rede blockchain Stellar. Negociando com uma relação de preço de 1 por 1 com o dólar americano, foi lançado em 18 de julho.

Semelhante a Tether e TrueUSD, a Stronghold é fiat garantida, o que significa que a estabilidade de preços é assegurada por fundos apoiados por fiat. Só que, neste caso, a moeda estável é segurada pelo governo federal pela empresa fiduciária Prime Trust, que supostamente tem acordos com bancos segurados pela Federal Deposit Insurance Corporation (FDIC), o que implica tanto melhor segurança quanto centralização.

Bridget van Kralingen, da IBM — vice-presidente sênior de indústrias, plataformas e blockchain globais — explicou à Fortune que o novo projeto representava uma oportunidade de simplificar os esforços de pagamento de blockchain existentes na empresa. Até que Stronghold fosse lançado, a IBM estava convertendo entre várias moedas fiduciárias, usando o token nativo da Stellar — o Lumens (XLM) — como uma ponte entre elas. O sistema ficou, portanto, exposto tanto às taxas de câmbio intragrastais variáveis quanto à notória volatilidade do mercado de criptografia. A moeda estável — usada como um substituto digital sem atrito um proxy digital por fiduciário — vai agora remover esses obstáculos e melhorar os custos gerais, argumentou Van Kralingen.

Além disso, Van Kralingen mencionou que a integração blockchain da IBM pode ser potencialmente usada para projetos de moedas estáveis atrelados a moedas fiduciárias nacionais que não sejam o dólar norte-americano.

Reserve: Modesta, mas promissora moeda não colateralizada

Em junho, emergiram notícias sobre outra moeda estável baseada em contratos inteligentes. Um novo projeto chamado Reserve recebeu o apoio de jogadores do porte de Peter Thiel, Coinbase, Distributed Global, GSR.IO e outros 40 participantes. Embora a rodada de coleta tenha acumulado um total "modesto" de US $ 5 milhões, o co-fundador da Reserva, Nevin Freeman, disse à Cointelegraph que o financiamento foi intencionalmente mantido "pequeno", com foco na construção de parcerias, em vez de acumular capital.

Assim, o Reserve funciona “ao bloquear outros ativos cripto em um contrato inteligente para fornecer apoio ao token de reserva e estabilizar seu preço”, conforme seu comunicado de imprensa.
Freeman explicou como o protocolo Reserve difere de outros projetos cripto de moedas estáveis, enfatizando seu foco no modelo não colateralizado:

"A chave da abordagem da Reserva é usar ativos cripto de fora do nosso próprio ecossistema para manter uma pegada, especialmente no começo. O problema com o suporte a um peg através de ativos cripto que estão todos dentro de contratos inteligentes de uma moeda estável é que a perda a confiança nessa establecoína em particular pode sair do controle. Nós trabalhamos duro para tornar isso tão improvável quanto possível."

Notavelmente, Reserve aparentemente colocou ênfase na conformidade, uma vez que buscou um relacionamento de consultoria com uma consultoria de serviços financeiros liderada por um ex-comissário da Comissão de Valores Mobiliários (SEC) e que também inclui ex-funcionários de outros importantes reguladores dos EUA — incluindo CFTC, Federal Reserve, OCC e Departamento do Tesouro.

Circle: Privilegiado token baseado em fiduciário apoiado pela Bitmain

Em maio, a Circle Internet Financial Ltd., com sede em Boston, uma desenvolvedora de produtos em moeda digital, fechou uma rodada de arrecadação de fundos de US $ 110 milhões, liderada pelo gigante de hardware de mineração Bitmain. Os dois colaboraram em um projeto denominado Circle USD Coin, ou USDC, com o objetivo de desenvolver um token estável apoiado por dólares americanos. No entanto, ao contrário de muitos outros projetos similares em andamento, este tem uma data de lançamento, embora bastante abstrata: verão 2018. Tecnicamente, o USDC será um token ERC-20 baseado na rede Ethereum, enquanto o fiat de apoio vai ser armazenado em uma conta bancária auditável.

O que mais distingue o USDC de uma infinidade de outras moedas estáveis é que ele tem o privilégio de dar um salto: a Circle, que tem sete milhões de usuários, está procurando integrar o USDC em seu aplicativo de pagamento Circle Pay, bem como no Circle Trade. mesa de balcão OTC e provedor de liquidez. A empresa também planeja oferecer o USDC em sua bolsa de criptomoedas Poloniex. O cofundador Sean Neville disse que o Circle ainda não decidiu se cobrará taxas para os traders usando USDC, já que o objetivo principal é aumentar sua circulação.