Estado islâmico recorre ao aplicativo de mensagens baseado em blockchain após suspensão no Telegram

A organização terrorista ISIS voltou-se para a tecnologia blockchain para espalhar anonimamente vídeos e propaganda a milhares de pessoas em todo o mundo.

Um relatório da Vice de 13 de dezembro observou que especialistas que rastreiam as atividades do ISIS online descobriram que os apoiadores do grupo terrorista estão atualmente experimentando o aplicativo de mensagens baseado em blockchain, BCM. Sobre o assunto, um porta-voz do BCM disse ao Cointelegraph:

"Nosso objetivo é fornecer o canal de comunicação mais seguro e salvaguardar a liberdade de comunicação digital de nossos usuários, pois acreditamos firmemente que é a pedra angular de qualquer sociedade democrática moderna."

A ascensão do ISIS ao poder através da comunicação de massa

O ISIS, também conhecido como Estado Islâmico, não é estranho às mídias sociais e aplicativos de mensagens seguras. De acordo com um artigo do MIT Technology Review, a ascensão do ISIS ao poder, em 2014, foi parcialmente facilitada pelas mídias sociais, especialmente o Twitter. Na época, o grupo terrorista estava usando o Twitter para espalhar idéias políticas, religiosas e militares pela Internet.

Mas como plataformas de mídia social como Twitter, Facebook e YouTube proibiram o ISIS de promover seu conteúdo, a organização terrorista voltou-se para aplicativos de mensagens seguros para compartilhar suas horríveis mensagens.

No início deste ano, o ISIS estava ativamente usando a plataforma de mensagens criptografada Telegram (que tem mais de 300 milhões de usuários em todo o mundo) como seu principal aplicativo para releases de mídia. De acordo com um estudo realizado pelo George Washington University’s Program on Extremism (Programa de Extremismo da Universidade George Washington), os apoiadores do ISIS de língua inglesa estavam usando o Telegram para "se comunicar com apoiadores de ideias semelhantes em todo o mundo, disseminar mídia oficial e não oficial (ISIS) e fornecer material com instruções para operações".

Embora este relatório tenha observado que o Telegram era "eficaz e seguro" como uma ferramenta de comunicação digital para simpatizantes do ISIS, o Telegram tomou iniciativas para banir terroristas de sua plataforma. De acordo com o canal ISIS Watch, o Telegram baniu 8.291 bots e canais terroristas em maio deste ano. Além disso, uma operação internacional de aplicação da lei, liderada pela União Européia em novembro, desmantelou várias redes de contas e canais que o ISIS havia estabelecido no Telegram.

E enquanto o ISIS também está testando aplicativos como Hoop, TamTam, RocketChat e Riot, o grupo terrorista voltou sua atenção para o BCM Messenger devido aos seus recursos exclusivos.

Um olhar mais atento ao BCM

O BCM, que significa "Because Communication Matters" (Porque a comunicação é importante), possui anonimato do usuário, mensagens criptografadas de ponta a ponta e proteção consistente da privacidade. De acordo com o site, o BCM é diferente do Telegram e do Whatsapp de várias maneiras.

Por exemplo, ao contrário do Telegram, todas as mensagens enviadas nos chats privados e de grupo do BCM são criptografadas de ponta a ponta, o que significa que ninguém mais no servidor pode acessar esse conteúdo. E embora o Whatsapp não seja de código aberto, o BCM observa que o aplicativo de mensagens se tornará gradualmente de código aberto (agora o código está fechado).

No entanto, um dos recursos mais distintos do BCM é a capacidade dos usuários criarem "supergrupos", capazes de conter até 100.000 pessoas. Isso daria aos membros do ISIS e seus apoiadores a capacidade de atingir grandes quantidades de pessoas em segundos. Além disso, os usuários não precisam de um número de telefone ou endereço de e-mail para obter um ID de usuário no BCM, garantindo o anonimato completo.

Quando perguntado sobre o objetivo por trás desses recursos, um porta-voz do BCM explicou:

“Antes de mais, gostaríamos de enfatizar que nossa equipe não apoia nem participa de nenhuma forma de terrorismo e extremismo. Acreditamos que a liberdade de comunicação é um direito humano básico. A intenção fundamental de nossa equipe ao desenvolver este produto é proteger a liberdade e a segurança da comunicação.”

O BCM também disse ao Cointelegraph que desabilitaria a plataforma de mensagens em países que operam em condições inadequadas.

“Estamos comprometidos em cumprir as leis e regulamentos dos governos locais. No entanto, cessaremos a operação em países onde as regras locais não fornecem condições justas e adequadas. Em outras palavras, sob nenhuma circunstância comprometeremos qualquer solicitação para fornecer descriptografia e back doors para o monitoramento de conteúdo.”

Embora esse possa ser o caso, outro aspecto crítico do BCM é sua carteira interna de criptomoedas, um recurso como esse pode potencialmente permitir que terroristas enviem e recebam criptomoedas. Por outro lado, também poderia ajudar as autoridades a rastrear os membros do ISIS.

A diretora de investigações financeiras e educação da CipherTrace, Pamela Clegg, disse ao Cointelegraph:

“Os atores com más intenções estão sempre procurando maneiras inovadoras de se comunicar, ocultando sua identidade e escondendo sua pegada. Mesmo que o BCM tenha uma carteira para criptomoeda, essas transações ainda serão registradas na blockchain, que pode ser rastreada até sua origem.”

Truque de relações públicas?

O fundador da Fundação Hexa, co-fundador da Orbs e ex-consultor sênior do General Mordechai do Ministério da Defesa de Israel, Neta Korin, destacou que, embora os principais recursos de privacidade do BCM sejam sua carteira de criptomoeda e a não exigência de um número de telefone/e-mail, o aplicativo de mensagens poderia ser apenas um truque de relações públicas.

“A alegação do BCM de que as comunicações não podem ser bloqueadas por terceiros parece um golpe de relações públicas. Isso já é um recurso inerente a redes como Bitcoin e ethereum, onde os dados podem ser armazenados em transações por qualquer usuário ”, disse Korin ao Cointelegraph.

Korin também apontou a importância de entender como o BCM usará a blockchain além de sua carteira de criptomoeda.

"Seria interessante entender melhor o que é o uso da blockchain no aplicativo de mensagens, além de uma carteira de criptomoeda. Métodos avançados de criptografia podem ser implementados independentemente da blockchain. A comunicação criptografada que é difícil ou mesmo impossível de interceptar, é um desafio para o mundo todo que a comunidade de inteligência vem enfrentando nas últimas décadas - muito antes da tecnologia blockchain”, explicou Korin.

Para o argumento de Korin, o BCM explica em seu site que as mensagens não são baseadas em uma plataforma blockchain. Embora cada mensagem seja criptografada, não há diferença entre armazenar uma mensagem em um servidor BCM e armazená-la em uma blockchain. O site também observa que é difícil atualizar o software em cada node público da blockchain.

"Infelizmente, não são grandes novidades que as organizações terroristas estão estudando o uso de criptomoedas e aplicativos relacionados ao Bitcoin. Acreditamos que a maneira de derrotá-los começa com a conscientização e a educação dos riscos que essa tecnologia retém. Só então seria possível aprofundar em estratégias mais avançadas para combate-los”, disse Korin.