Autoridade iraniana do Cyber-espaço diz que o o cripto da Telegram coloca em risco a moeda nacional

O secretário do Alto Conselho do Ciberespaço (HCC) do Irã apoiou publicamente a proibição em potencial do Telegram dentro do país, citando a recente Oferta de Moeda Inicial do aplicativo de bate-papo (ICO) como potencialmente "prejudicial a moeda nacional do Irã", informou a rede local de notícias Al-Monitor ontem, 3 de abril.

De acordo com a Al-Monitor, a discussão sobre a proibição do Telegram originou-se tanto do desejo de apoiar aplicativos locais quanto de preocupações com a segurança nacional devido ao medo de que o aplicativo pudesse ser usado em protestos futuros, já que era mais provável que foi usado. em dezembro de 2017.

Hassan Firouzabadi, o secretário do HCC - um órgão de formulação de políticas cujos membros são nomeados pelo líder supremo aiatolá Ali Khamenei, com exceção do secretário, sugerido pelo presidente iraniano - aprova a proibição sugerida devido ao potencial da Telegram de trazer criptomoedas a todos os seus membros e usuários iranianos.

A agência de notícias Tasnim informou que Firouzabadi se referiu ao Telegram como um "inimigo do setor privado", uma vez que "a Telegram nunca [concordou] em ter um escritório no Irã e se recusou a trabalhar com o setor privado". Ele então adicionou:

“O telegram não é um mensageiro dominante em qualquer país, exceto no Irã. O Telegram anunciou oficialmente que será usado como uma plataforma econômica e o Telegram prejudicará a moeda nacional do Irã”.

A rede local de notícias Entekhab relatou que Firouzabadi vê a falta de regulamentação em torno da criptomoeda como um dos problemas em deixar o Telegram continuar a funcionar no Irã:

"Prevemos que a vida deste dinheiro [virtual] é de 10 anos e, durante esse período, aproximadamente US$50 bilhões serão retirados do país. Mas se o preço do [dinheiro virtual] cair durante a noite, as pessoas vão protestar [e perguntar] por que não houve monitoramento dele."

Um dos oponentes do banimento do Telegram é o presidente iraniano Hassan Rouhani, segundo um artigo da agência de notícias local Tasnim News Agency, que relatou que Rouhani vê a necessidade de um fim aos "monopólios" em vez de uma proibição de um aplicativo:

“Ter aplicações de mensagens iranianas fortes, seguras e baratas, que possam resolver as necessidades e os problemas das pessoas, certamente fará com que todos se sintam orgulhosos. O objetivo de criar e aprimorar aplicativos de software e mensagens iranianos não deveria estar bloqueando o acesso [a outros aplicativos], mas [o objetivo] deveria ser a eliminação de monopólios"

Em novembro do ano passado, Firouzabadi disse que embora o HCC “dê as boas-vindas ao Bitcoin”, eles também vêm a necessidade de regular criptomoedas no país e estão trabalhando com o Banco Central do Irã em um estudo de criptos que visa esclarecer como as regulamentações poderiam funcionar.

Recentemente, o Telegram realizou duas rodadas de venda simbólica de US$850 milhões como forma de arrecadar fundos para dar suporte ao aplicativo de bate-papo Telegram e ao Telegraph Open Network, sua próxima plataforma Blockchain. O aplicativo comemorou o alcance de 200 milhões de usuários mensais ativos no final de março.

Em fevereiro, o Banco Central do Irã anunciou que eles estão agora tentando "prevenir" a criptomoeda em uma aparente reviravolta em relação à sua postura mais favorável ao cripto neste outono. O Irã e a Turquia também manifestaram interesse em fevereiro em desenvolver suas próprias criptomoedas apoiadas pelo Estado.