Enquete da ING: Austríacos estão mais céticos com Bitcoin e criptomoedas

Uma enquete online feita pelo gigante bancário ING descobriu que os austríacos estão mais céticos com relação ao Bitcoin (BTC) e às criptomoedas em geral. A pesquisa, que incluiu entrevistados de 15 países, mostra que a positividade com relação ao Bitcoin está também enfraquecendo em outros países, segundo o Der Standard, que publicou a informação em 14 de agosto.

Pior, e ainda piorando

Os austríacos são, em média, conservadores com investimentos, mas com relação a criptomoedas eles mostram-se bastante céticos, com apenas 13% enxergando as moedas digitais sob uma perspectiva positiva.

A abordagem em relação às criptomoedas piorou desde a pesquisa do ano passado. Neste ano, 17% dos austríacos acreditam que as criptomoedas são o futuro dos pagamentos digitais, em comparação com 20% no ano passado. Agora, apenas 14% acreditam que esta é uma forma significativa de investimento, em contraste com 17% no ano passado.

Além disso, apenas 5% dos austríacos considerariam receber seus salários pagos em Bitcoin.

Segundo a enquete, os austríacos hoje têm mais conhecimento que a maioria das nações sobre as criptomoedas, mas preferem evitar riscos e volatilidade o máximo possível.

Quebrando a tendência

Das 13 nações européias (além da Austrália e dos Estados Unidos) que foram pesquisadas, a maioria viu uma queda na visão positiva das criptos em relação ao ano passado. As exceções foram Turquia, Polônia e Romênia.

A Polônia e a Romênia tiveram 43% e 44% dos entrevistados com visão positiva sobre as criptomoedas. Enquanto na Turquia, 62% têm visão positiva e 36% ficariam felizes em receber salários em Bitcoin.

Os austríacos, no entanto, vêem a blockchain como uma tecnologia valiosa. A empresa de comercialização de energia, Graz, está planejando usar uma plataforma baseada em DLT na transição para a distribuição de energia com zero carbono.