Pesquisa do ING Bank revela que interesse em cripto duplicará no futuro próximo

A empresa de pesquisa Ipsos, em nome do ING Bank B.V., realizou um estudo sobre como as criptomoedas são percebidas em toda a Europa, Austrália e EUA, e ele revela que o interesse pela tecnologia deve dobrar no futuro.

Enquanto apenas 9% dos entrevistados possuem cripto, 25% disseram que serão proprietários no futuro. O maior percentual (18%) de propriedade de cripto é relatado na Turquia, enquanto o menor (4%) está em Luxemburgo.

A pesquisa é feita várias vezes ao ano e leva em consideração o gênero, a idade e a população em cada país, enquanto os números do consumidor são uma média. O estudo mais recente, que foi realizado entre 26 de março e 6 de abril de 2018, comparou 15 países, com cerca de 1.000 entrevistados em cada um deles.

Segundo o estudo, 66% dos europeus ouviram falar de criptomoeda, dos quais 77% são homens e 55% são mulheres; 35% concordaram que a cripto é o “futuro dos gastos on-line”, enquanto 35% disseram que ela aumentará em valor nos próximos 12 meses.

A parcela de conhecimento sobre cripto é igual ou superior a 50% em todos os países pesquisados, com a taxa mais alta na Áustria (79%) e na Polônia (77%). Nos EUA, 57% dos entrevistados ouviram falar de criptomoeda.

Menos de um em cada dez na Europa possuía cripto, com números semelhantes nos EUA e na Austrália. A pesquisa revelou que as pessoas na Europa que são usuários de bancos móveis são muito mais propensos a possuir cripto (12 por cento) do que aqueles que não são (4 por cento).

O estudo revelou que a maioria dos entrevistados reconhece a cripto como um investimento mais arriscado do que dinheiro, imóveis, títulos do governo ou o mercado de ações. Entre as fontes preferidas de informações sobre potenciais investimentos em Bitcoin (BTC) em 11 dos 15 países, as pessoas escolheram sites especializados. Os entrevistados da Espanha, França e Luxemburgo preferiram confiar em consultores financeiros ou bancários, enquanto os italianos disseram que prefeririam sites especializados e consultores profissionais.

No início deste mês, a firma de consultoria Capgemini descobriu em seu World Wealth Report 2018 que o interesse em criptomoedas cresceu notavelmente entre os indivíduos de alto patrimônio líquido. De acordo com o relatório, quase um terço dos entrevistados manifestaram grande interesse em criptomoedas. O interesse em cripto foi muito maior entre os investidores mais jovens, com 70% dos entrevistados com menos de 40 anos atribuindo grande importância aos gerentes de riqueza fornecerem informações cripto, em comparação com apenas 13% dos entrevistados com 60 anos ou mais.