ICOs arrecadaram US $ 4 bilhões em 2017. O que nos reserva 2018?

2017 foi definitivamente um ano de quebra de recordes para as ICOs: um equivalente a US $ 4 bilhões em fiduciário foram levantados e o número de colocações de token bem-sucedidas aumentou para algumas centenas a nível mundial. Entretanto, no mesmo ano, os IPOs tradicionais estimam ter arrecadado US $ 188,8 bilhões no total de 1.624 negócios, de acordo com o relatório de tendências da IPO Global E&Y. Somente no terceiro trimestre, 2 645 negócios de capital de risco totalizaram US $ 42 bilhões.

As ICOs levantaram menos cerca de dois por cento dos investimentos globais de IPO, mas as ICOs não IPOs e não promoções de capital de risco são algo muito mais presente nos dias de hoje. Por quê?

Em apenas um ano, as ICOs cresceram quase 40 vezes, dos US $ 96,3 milhões de 2016. Em 2014-2015, o montante foi microscópico. Mais de 180 novas ICOs estão programadas para serem lançadas em 2018, de acordo com a listagem da ICObench.

Seria superficial e arrogante explicar a explosão da ICO apenas pelo desejo dos novos-ricos mineradores de cripto de investir seus ativos digitais inesperadamente reavaliados em algo produtivo e se proteger contra a volatilidade. Pode até ser o caso, mas isso não explica todo o caso. Na verdade, existem três motivos mais enraizadas para o sucesso da ICO.

O motivo bom

ICOs e criptomoedas exploram falhas fundamentais das metodologias tradicionais de financiamento. Elas trazem justiça e igualdade a projetos de áreas geográficas desfavorecidas, setores e não roubam a participação dos fundadores enquanto o fazem.

O financiamento tradicional é voltado para um intermediário, não um criador, e destina-se a reduzir os riscos desse intermediário, não do investidor ou do fundador, ao mesmo tempo que maximiza os rendimentos do intermediário. Basicamente, funciona em torno do princípio de Mateus 13:12 - "pois ao que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância; mas ao que não tem, até aquilo que tem lhe será tirado." Simplesmente dizendo, é preciso dinheiro para obter mais dinheiro.

O financiamento de risco clássico é uma ordem de grandeza mais difícil de alcançar para aqueles que vivem fora das cidades que são centros globais. A maioria dos fundos dos EUA nem sequer considerará o financiamento de uma empresa não domiciliada nos EUA. Os capitalistas de risco normalmente reivindicam uma parte considerável do patrimônio em troca do dinheiro, de modo que os investidores, independentemente da sua participação, influenciam muito a tomada de decisão da equipe fundadora, e nem sempre para o bem.

A primeira resposta a esses problemas foi a criação de plataformas de financiamento coletivo (crowdfunding). As ICOs deram mais um passo para reduzir a fricção por trás do crowdfunding, removendo cada vez mais o intermediário.

O motivo mau

Obter financiamento de risco, sem nem falarmos de alcançar a IPO na sequência, exige que a equipe perca tempo que poderia ser dedicado ao desenvolvimento, marketing e promoção de produtos. Os procedimentos de conformidade, legal e de devida diligência tornam a missão auxiliar de garantir os fundos para o projeto uma tarefa à parte, complicada ou ainda mais complicada do que o lançamento do próprio produto.

Este não é o único motivo por trás do triunfo da ICO.

Apesar dos sonhos molhados dos ciberanarquistas, os estados não vão deixar de existir tão cedo, e as normas legais para a ICO não apareceram do nada. Como dizem nas forças armadas, os regulamentos de serviço estão escritos com sangue - daqueles que morreram para ensinar aos outros uma lição. As bolsas de valores e os mercados financeiros são regulamentados não exclusivamente para manter os profanos fora. É porque a maioria dos golpes, fraudes e quebras já aconteceram nesses setores. Mais cedo ou mais tarde, as ICOs serão regulamentadas. E devemos ser uma parte da solução para este problema, e não o problema em si.

O motivo feio

No mundo ideal criptoanárquico autônomo pós-contratos inteligentes e Blockchain, imaginado por tecnófilos, todos deveríamos estar cantando "Hosannas" agora, louvando o progresso e engenhosidade humana.

Mas nós não seríamos humanos se uma invenção que mudasse a vida não fosse usada enganar, fraudar e roubar. As criptomoedas e, posteriormente, as ICOs não são uma exceção e existem e sempre existirão fraudes, é claro. O financiamento tradicional não necessariamente oferece uma proteção substancialmente melhor de investidores. Mesmo a mais rigorosa diligência não é garantia contra a fraude. Os esquemas de investimento cripto são especialmente propensos a isso por causa do anonimato.

O segmento ICO ainda está em sua infância, mas este bebê está ganhando peso bem. São muitas as doenças da infância. Em primeiro lugar, o mundo das criptomoedas tem um grave problema de reputação. A SEC exige precaução extrema ao investir em ICOs. Para ganhar confiança, devemos começar de dentro, e estabelecê-la primeiro junto à comunidade.

Mesmo na ausência de regulamentos governamentais, inevitavelmente aparecerá um quadro de autorregulação das ICO. Além disso, para evitar a sobrerregulação e a intervenção desnecessária dos governos, é essencial que a comunidade mantenha o policiamento melhor do que qualquer regulador. É exatamente para onde o setor está indo - de outra forma, ele não vai sobreviver.

O que esperar em 2018

Neste ano que se inicia as ICOs oferecerão mais projetos para atender a comunidade em geral, não se limitando mais ao desenvolvimento de infraestrutura do Blockchain, pagamentos e negociação especulativos. Elas vão girar muito menos puramente em torno da tecnologia financeira. Em 2017 já vimos exemplos da autenticação pública via Blockchain, investimentos imobiliários baseados em Blockchain, programas de fidelidade, gerenciamento da cadeia de suprimentos, gerenciamento de direitos de propriedade intelectual e outras aplicações do mundo real. Veremos mais disso em 2018.

- Por Sergi Dromo

Sergi Dromo é um ciberpessimista, tecnofilósofo e pensador pouco ortodoxo.


Siga-nos no Facebook