Executivo da IBM: CBDCs podem aliviar os riscos que contribuíram para o crash financeiro de 2008

Stanley Yong, líder global em soluções de moeda digital do banco central (CBDC) da IBM, disse que os CBDCs podem ajudar a mitigar os riscos que contribuíram para o crash financeiro de 2008. Yong falou sobre sua perspectiva de como superar a fragmentação dos sistemas de pagamento digital existentes durante uma entrevista para a Squawk Box da CNBC em 14 de novembro.

CBDCs, ou moedas digitais nacionais, são moedas virtuais que são emitidas e controladas por um regulador federal. Os CBDCs não são descentralizados, como a maioria das criptomoedas - em vez disso, representam dinheiro fiduciário, apenas na forma digital.

Yong também é Chief Technical Officer (CTO) da IBM Blockchain for Financial Services e trabalhou anteriormente com o consórcio de blockchain corporativo R3 e a incubadora de blockchain ConsenSys, além de passar uma década operando sistemas de pagamento para o banco central de Cingapura, a Autoridade Monetária de Cingapura.

Em declarações à CNBC, Yong disse que os CBDCs são “a única maneira de ter certeza de que os serviços financeiros são necessários, especialmente quando se pensa nos tipos de riscos que surgiram durante a crise do Lehman em 2008.”

Ele sugeriu que parte do congelamento do sistema de liquidação - uma falha sistêmica que afetou sistemas financeiros em vários países - que ocorreu durante a crise de 2008 foi desencadeada por “falta de confiança nos mecanismos de entrega versus pagamento que estavam disponíveis naquele momento. Ele propôs, portanto:

“Combinar o que os bancos centrais têm em termos de sistemas digitais para transferência de dinheiro [...] com os mecanismos de entrega para todos os tipos de commodities, derivativos e ações em um sistema blockchain, seria […] os tipos de riscos que vimos em 2008.”

Yong destacou ainda que uma das principais vantagens de um CDBC, mesmo em economias desenvolvidas cujas sociedades já são, até certo ponto, “sem dinheiro” e usam uma ampla gama de soluções de pagamento digital, seria a redução da “fragmentação do mercado”. .

O dinheiro capturado nos chamados "sistemas de circuito fechado" - por exemplo, depositados em um cartão de viagem pré-pago - não pode ser usado em outros contextos de varejo, observou ele. E enquanto os cartões de débito pré-pagos Visa e MasterCard são abertos, ele os considerou não eficientes em termos de custos e taxas para torná-los viáveis para micro pagamentos.

Quando perguntado se uma versão CBDC do dólar dos EUA seria "realista", Yong disse que com "o negócio correto e sobreposições legais", a mesma tecnologia que sustenta criptomoedas, blockchain, poderia ser usada para fornecer uma espécie de "substituição de moeda" para o dólar.

Falando hoje no Singapore Fintech Festival, o chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI) propôs que a comunidade internacional deveria “considerar” endossar os CBDCs. Apesar de admitir que não estava "completamente convencida" pela cripto de forma mais ampla, Christine Lagarde, chefe do FMI, disse que "pode haver um papel para o Estado fornecer dinheiro para a economia digital".