IBM e Salon Media desenvolvem piloto de solução Blockchain para prevenir fraudes no mercado de publicidade digital

A IBM e a Salon Media estão testando um produto Blockchain de prova de conceito criado pela AdLedger , um consórcio sem fins lucrativos que desenvolve tecnologias de contabilidade compartilhada para o mercado de publicidade digital, publicado em 18 de abril.

"O Projeto de Reconciliação da Campanha" aproveita a tecnologia Blockchain para impedir a intermediação de terceiros entre anunciantes, editores e consumidores, o que atualmente torna a indústria vulnerável a fraudes de publicidade de alta tecnologia, como fraude de bots e falsificação de domínios. Focando a reconciliação de campanha em particular, a Prova de Conceito (PoC) registra as condições contratuais, os pagamentos dos editores e os detalhes sobre o cumprimento dos termos contratuais em um sistema compartilhado que é imutável e totalmente auditável, a PRWeb ainda reportou .

Chad Andrews, líder de soluções globais de publicidade da IBM, escreveu na AdWeek em 18 de abril:

“Com uma rede peer-to-peer com Blockchain, é possível obter transparência na cadeia de suprimentos de publicidade digital. Mas, garantir seu sucesso exigirá que toda a indústria, incluindo anunciantes, provedores de tecnologia de anúncios, editores e agências, se unam em torno de uma versão compartilhada e auditável da verdade. Esse pacto facilitaria um nível inovador de transparência em auditoria, reconciliação, detecção de fraudes, gerenciamento de discrepâncias e pagamentos ”.

Um relatório recente da Juniper Research estimou que os anunciantes digitais perderão cerca de $19 bilhões em fraudes em 2018, o equivalente a $52 milhões por dia.

O AdLedger está desenvolvendo atualmente duas PoCs Blockchain destinadas a aumentar a transparência e a segurança de dados para anunciantes e editores; uma é uma campanha de mídia executada durante todo o seu ciclo de vida em um Blockchain, a segunda diz respeito à conformidade com o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR).

Recentemente, a Salon Media gerou controvérsia quando a notícia vazou oferecendo aos visitantes de seu site a opção eufemística de permitir que Salon acessasse o “poder de computação não utilizado” de um visitante em vez de ver anúncios; essencialmente pedindo permissão para minar criptomoedas no computador de um visitante, sem dizer o mesmo.