Duras de matar: pesquisas mostram que até 'moedas de piada' têm uma vida útil de 16 meses

A plataforma educacional de blockchain Longhash analisou dados de sites abertos ao público para avaliar por que certos projetos de criptomoeda terminaram no cemitério do setor.

Examinando 700 entradas provenientes de multidões em oito anos no site Cointopsy, o artigo de 12 de outubro de Longhash descobriu que a causa mais comum de morte foi "morte por abandono", responsável por 63,1% das criptomoedas que não não vigaram.

Mesmo software não utilizado morre lentamente

As criptomoedas cujo destino culminou na morte por abandono - ou seja, quando os investidores param de negociar um ativo e seu volume cai para zero - tiveram uma vida útil média de 1,6 ano, de acordo com Longhash.

A próxima categoria mais prevalente - responsável por 29,9% das moedas mortas - foram supostos golpes, que duram em média um ano.

A era do pico de fraudes supostamente foi 2017, quando o número de projetos desse tipo aumentou cinco vezes, como indica o infográfico de Longhash.

Dead Crypto Projects

Fonte: Cointopsy através da Longhash

A Longhash faz uma anotação de várias pessoas envolvidas em três diferentes projetos de fraude na lista - citando o usuário do Bitcointalk "Crunck" e uma pessoa que usa o nome "Daniel Mendoza".

Contando cadáveres

A última categoria identificada por Longhash são projetos de piadas como AnalCoin, BagCoin e BieberCoin. Eles representam 3,2% dos projetos no cemitério, com uma vida útil média de 1,4 anos.

Dead Crypto Projects

Fonte: Cointopsy através da Longhash

Como observa Longhash, quantificar o número de criptomoedas mortas é uma questão espinhosa, já que muitos dos dados são de de fonte pública e também o fato de haver pouco consenso sobre como definir bem e verdadeiramente os “mortos”.

A Cointopsy supostamente lista 705 projetos falecidos, a DeadCoins lista 1.779, e o CoinMarketCap inclui mais de 1.000 projetos com menos de US$ 1.000 por dia em volume de negociação - possivelmente morrendo, se não absolutamente sem vida.

Neste verão, o Cointelegraph publicou um artigo dedicado às criptomoedas presumivelmente mortas, descobrindo que as causas da morte incluem baixa liquidez, roubo, falta de utilidade e disputas administrativas.