Casa de câmbio hackeada Coincheck reembolsará os usuários e retomará as negociações “na semana que vem”, diz CEO

A casa de câmbio japanesa de criptomoedas que foi hackeada Coincheck retornará os fundos roubados aos clientes "até o final da próxima semana", segundo anunciado em 8 de março.

De acordo com uma publicação no blog citada pela Cointelegraph Japan, a Coincheck, que perdeu US $534 milhões em tokens NEM para hackers em janeiro de 2018, também procurará reabrir seus serviços de câmbio no mesmo período.

Nesta semana, uma empresa forense que trabalhou após o hack, disse que descobriu alguns dos tokens envolvidos em uma casa de câmbio em Vancouver, no Canadá.

Ao mesmo tempo, o regulador japonês, a Autoridade de Serviços Financeiros (ASF), agiu com base nos resultados de suas próprias investigações sobre a Coincheck e outras casas de câmbio de criptomoeda, ordenando que várias delas cessassem as negociações.

Sete casas de câmbio receberam "avisos de punição" da ASF, enquanto 15 que atualmente aguardam uma licença para operar legalmente foram examinadas em robustez de segurança.

Dirigindo-se a seus próprios usuários, a Coincheck delineou uma perspectiva de linha dura sobre a segurança no futuro.

"Além de fortalecer o monitoramento interno como contramedidas contra o acesso não autorizado externo, como neste caso, estaremos realizando monitoramento de segurança com instituições externas de especialistas em segurança de sistemas financeiros e segurança cibernética", afirmou o CEO Koichiro Wada.

A casa de câmbio notificará os usuários sobre atualizações tanto para negociação quanto para compensação.