Moedas digitais emitidas pelo governo ameaçam a estabilidade financeira, diz uma representante do Banco Central da Suíça

De acordo com o membro do Conselho de Administração do Banco Nacional da Suíça (SNB), Andréa Maechler, as criptomoedas privadas têm vantagens sobre as moedas digitais do banco central (CBDC), relatou a Cointelegraph auf Deutsch no domingo, 8 de abril.

O membro do conselho do SNB disse a uma audiência em Zurique que as moedas digitais do setor privado são melhores e trazem menos riscos que as versões emitidas por um país. Além disso, ela acrescentou que uma criptomoeda criada pelo governo pode aumentar o risco de tais "corridas bancárias", quando um grande número de clientes sacam os fundos de um banco com base em preocupações sobre a solvência do banco.

Falando sobre os riscos potenciais que uma CBDC poderia apresentar para a estabilidade financeira, ela argumentou:

"O dinheiro digital do banco central para o público em geral não é necessário para garantir um sistema eficiente de pagamentos de varejo sem dinheiro. Não daria quase nenhuma vantagem, mas daria origem a riscos incalculáveis em relação à estabilidade financeira".

A funcionária do Banco Central também vê problemas com criptomoedas descentralizadas, em particular, que eles não podem competir efetivamente com os requisitos tradicionais para uma moeda. Meachler referiu que a criptomoeda não possui os requisitos de dinheiro, referindo-se às suas aplicações como um meio de troca, um veículo para retenção de valor a longo prazo e uma unidade estável de conta.

Maechler também reconheceu o fato que a tecnologia de contabilidade distribuída (DLT), da qual a Blockchain é um espécie, tem o potencial de reduzir os custos e aumentar a transparência na área de transferências internacionais de dinheiro. Entretanto, em termos de segurança dos dados e o nível de confiança, ela observou que a DLT não atende aos requisitos dos sistemas de pagamento RTGS (Liquidação bruta em tempo real).

Sua atitude negativa em relação ao conceito de moeda digital nacional contrasta com as posições de outros países pelo mundo inteiro, cujos bancos centrais vêm pesquisando ativamente sobre o assunto.

Recentemente, na quinta-feira, 5 de abril, o Banco da Reserva da Índia (RBI) anunciou que está estudando a possibilidade de emissão de sua própria CBDC. Em março, o vice-governador do Banco Popular da ChinaChina manifestou interesse em criar uma criptomoeda pelo estado para reforçar o Yuan Chinês (RMB). No início desta semana, um pesquisador da empresa fintech R3 previu que as CBDC's seriam implementadas no mundo real em 2018.