Goldman Sachs Explorando Derivados de Criptomoedas, diz COO

O principal grupo de banco de investimento americano, o Goldman Sachs, está explorando derivativos de criptomoedas, disse o diretor de operações do Goldman Sachs (COO) em entrevista à Bloomberg em 20 de junho.

O COO David Solomon afirmou que a empresa já está auxiliando clientes em derivativos negociados publicamente, como os futuros do Bitcoin (BTC), e que a empresa está “muito cautelosamente”, considerando “algumas outras atividades” no campo.

Segundo Solomon, o objetivo da empresa é “evoluir seus negócios e se adaptar ao meio ambiente” com relação às criptomoedas.

“Estamos esclarecendo alguns futuros em torno do Bitcoin, falando sobre fazer algumas outras atividades por lá, mas está sendo muito cauteloso. Estamos ouvindo nossos clientes e tentando ajudar nossos clientes, pois eles também estão explorando essas coisas.”

Ontem, o CEO da Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, confirmou sua posição positiva em moedas cripto, alegando que a adoção de moedas digitais como o Bitcoin poderia acontecer de forma semelhante à adoção do papel moeda fiduciária, que substituiu as moedas de ouro e prata.

A postura da Goldman Sachs em relação às criptomoedas mudou à medida que os ativos digitais se tornaram mais populares. Em 2014, a Goldman Sachs argumentou que o Bitcoin não se qualifica como uma moeda, enquanto três anos depois, a empresa disse que se tornou mais difícil para os investidores institucionais ignorarem o Bitcoin e outras criptomoedas. Em dezembro do ano passado, a empresa tinha rumores de estar abrindo sua própria criptomoeda.

Embora o grupo de investimento tenha negado os rumores de uma mesa de operações no início de 2018, a posição da empresa em relação à criptomoeda diminuiu. Em maio, a empresa disse que a criptomoeda "não é uma fraude" e revelou planos para começar a negociar moedas cripto.

Na semana passada, o chefe de pesquisa da Fundstrat, Thomas Lee, sugeriu que o recente declínio no Bitcoin foi causado por expirações de futuros. Em 9 de junho, a Commodity Futures Trading Commission (CFTC) solicitou dados comerciais das trocas de criptos Bitstamp, Coinbase, itBit e Kraken como parte de uma investigação sobre se as plataformas estavam envolvidas em atividades que poderiam constituir manipulação de preços ao formular o preço de Futuros de Bitcoin.