CEO da Goldman Sachs: "Arrogância demais" pensar que a cripto não vai funcionar porque é "estranha"

O CEO do Goldman Sachs, Lloyd Blankfein, reiterou sua posição positiva sobre as criptomoedas em uma entrevista à Bloomberg no Economic Club de Nova Iorque, em 19 de junho.

Quando questionado sobre as chances da cripto se tornar um “problema real”, Blankfein disse que a adoção de criptomoedas como Bitcoin (BTC) poderia acontecer de forma semelhante à forma como a adoção do papel-moeda, que substituiu moedas de ouro e prata, aconteceu.

Abordando a evolução do dinheiro, Blankfein apontou as características comuns entre papel-moeda e cripto, aparentemente implicando que ambos não têm valor intrínseco. Observando que o papel-moeda conseguiu se tornar a principal forma de dinheiro, independentemente disso, ele perguntou de forma retorica: "por que você não pode ter uma moeda de consenso?"

De acordo com Blankfein, é "arrogância demais" argumentar que as criptomoedas não podem ser adotadas em grande escala apenas porque são "desconfortáveis" ou "desconhecidas".

Em 2017, Blankfein deu uma declaração parecida, alegando que as pessoas primeiro desconfiavam do papel-moeda e depois o aceitaram. Ele então sugeriu que o Bitcoin poderia ser adotado como um meio de trocar de valor no futuro, mesmo que não seja amplamente aceito hoje.

“Mas há muitas coisas que não existiam para mim no passado e que funcionaram muito bem. Se fossem 20 anos para a frente e funcionasse, eu poderia lhe dizer por que funcionou. Mas com base em tudo o que sei, não estou supondo que isso funcionará”.

O Goldman Sachs como um todo é conhecidp por sua postura cética em relação às criptomoedas. Em 2014, a empresa argumentou que o Bitcoin não é uma moeda. Em 2017, reconheceu que se tornou mais difícil para os investidores institucionais ignorar o Bitcoin e outras criptomoedas. No final de 2017, houve rumores de que a empresa estava abrindo seu próprio balcão de cripto.

Apesar de refutar os relatórios no início de 2018, o Goldman Sachs acabou recorrendo à cripto, alegando que o Bitcoin “não é uma fraude” e revelando planos para comprar e vender criptomoedas. Em maio, o aplicativo Circle, patrocinado pelo Goldman Sachs, lançou um novo recurso que torna mais fácil para os “novatos” entrarem no mercado de cripto.