Primeira iteração do hard fork do Ethereum Metropolis aparece na segunda-feira

A Fundação Ethereum e outros desenvolvedores da comunidade Ethereum de desenvolvimento de código aberto estão prontos para lançar a primeira iteração da proposta de hard fork Metropolis na próxima semana.

De acordo com Jordan Daniell da ETHNews, o hard fork Metropolis está configurado para ser executado em duas fases distintas. A primeira iteração da hard fork Metropolis é denominado hard fork Byzantine, uma solução que deverá minimizar as ações de atores ruins no ecossistema Ethereum. O hard fork Byzantine será integrado ao testnet do Ethereum no bloco de número 1.700.000, que poderá ser já em 18 de setembro.

Em entrevistas anteriores à Cointelegraph, o cofundador do Ethereum, Vitalik Buterin, enfatizou a necessidade de uma melhoria de rede e a execução de um hard fork para fornecer uma infraestrutura mais eficiente, segura e robusta para aplicativos descentralizados (dapps) e desenvolvedores.

Necessidade de um protocolo mais robusto

Ao longo dos últimos 12 meses, um número crescente de instituições financeiras de vários bilhões de dólares, conglomerados Fortune 500 e desenvolvedores dapp entraram no ecossistema Ethereum através de vários consórcios, como a Enterprise Ethereum Alliance. Empresas como JPMorgan, Microsoft, Intel e BBVA estão ativamente desenvolvendo aplicativos sobre o protocolo Ethereum para automatizar suas operações e desenvolver novas infraestruturas baseadas na imutável rede Blockchain do Ethereum.

Para que a rede Ethereum suporte todos os dapps de grande escala em um futuro próximo, especialmente muitos dapps que serão comercializados e implementados em plataformas maiores, os desenvolvedores precisarão de um protocolo mais robusto para trabalhar.

Como Buterin explicou anteriormente:

"Os aplicativos estão lá. Veja: programa alimentar mundial da ONU, identidade, cadeia de suprimentos, mercados de previsão, reddit descentralizado/Twitter, redes de malha. Todos estão no backburner agora precisamente porque a escalabilidade não existe. Eu, pessoalmente, reduzi o evangelismo precisamente porque vejo que o principal estrangulamento agora não é o interesse, mas a tecnologia".

Embora apenas hard fork Byzantine seja testado no testnet do Ethereum no início da próxima semana, um processo de teste bem-sucedido do hard fork Byzantine permitirá que a Fundação Ethereum e seus desenvolvedores racionalizem a integração da segunda fase do hard fork Metropolis. Uma vez que o hard fork Metropolis esteja completo, ele permitiria que a maioria das aplicações descentralizadas que Buterin mencionou na declaração acima sejam comercializadas e sejam lançadas em um ecossistema escalável e eficiente.

Etapa principal

Em uma entrevista à Cointelegraph em abril, Buterin observou que a Fundação Ethereum continuará a melhorar o protocolo central do Ethereum. Mais uma vez, empresas e usuários desenvolvem e exploram casos de uso adicionais, então a escalabilidade e flexibilidade da rede Ethereum permitiriam que grandes aplicações Blockchain fossem testadas em várias indústrias.

"Há algumas perspectivas. Em primeiro lugar, continuaremos desenvolvendo a tecnologia e resolvendo desafios urgentes, alguns deles em que já começamos a trabalhar, mas ainda há muito a ser feito, incluindo escalabilidade, confidencialidade e problemas de segurança. Essas questões precisam ser resolvidas para garantir um maior desenvolvimento do protocolo e todo o ecossistema. Além disso, estamos nos concentrando na expansão do sistema - para garantir que mais projetos sejam construídos usando o Ethereum como base, mais empresas e usuários que trabalham com a plataforma, explorando novos casos de uso", disse Buterin.

Muitos especialistas, incluindo o cofundador da Coinbase, Fred Ehrsam, afirmam que a escalabilidade é um problema importante para o Ethereum se ele pretende suportar grandes aplicações descentralizadas com milhões de usuários. O Metropolis é um passo importante para dimensionar eficientemente a rede Ethereum.


Siga-nos no Facebook