Finlândia realiza ataque cibernético em mais de 200 cidades e órgãos públicos

O Finnish Population Register Centre - Centro Finlandês de Registro de População - está coordenando um ataque cibernético simulado de ransomware em mais de 200 cidades e organizações públicas finlandesas.

Em 22 de novembro, o jornal finlandês Yle informou que as cidades e organizações participantes estão ensaiando como responder quando um grupo de hackers exige que os participantes paguem um "resgate" durante uma série de ataques cibernéticos simulados.

Como parte da operação, 235 organizações públicas foram confrontadas com um grupo de hackers ativistas que ameaçavam realizar ataques cibernéticos, a menos que recebessem uma taxa de resgate em Bitcoin (BTC) até uma determinada data.

Segundo os organizadores, o objetivo do exercício é fortalecer as habilidades das cidades e organizações para lidar com um ataque cibernético de forma mais eficaz. O Population Register Center, que opera sob o Ministério das Finanças, já organizou dois dias de prática, com o terceiro programado para a próxima semana.

O cripto-ransomware ainda é o ataque cibernético mais avançado

Em outubro, a Agência da União Européia para a Cooperação Policial (Europol) divulgou seu relatório Internet Organized Crime Threat Assessment (IOCTA) 2019 - Avaliação da Ameaça ao Crime Organizado pela Internet - no qual pintou uma imagem problemática mostrando que o ransomware cripto continua sendo o ataque cibernético mais proeminente que os investigadores europeus de crimes cibernéticos são confrontados. Segundo a Europol, o cibercrime deve ser abordado em um sentido holístico, dizendo:

“O combate ao crime cibernético é tanto sobre suas formas atuais, quanto sobre projeções futuras. Novas ameaças não surgem apenas das novas tecnologias, mas, como é demonstrado com frequência, vêm de vulnerabilidades conhecidas nas tecnologias existentes.”

Ataques de Ransomware cresceram 118%

Em agosto, a empresa de segurança cibernética McAfee Labs divulgou seu relatório de ameaças, que observou um aumento significativo nos ataques de ransomware no primeiro trimestre de 2019. A McAfee Labs explicou que uma dessas campanhas de ransomware usava a família de malware Ryuk, que surgiu no início do primeiro trimestre de 2019 e começou a interromper a impressão de jornais nos Estados Unidos.