Ex-banqueiro central afirma que o Libra do FB 'disciplinaria' governos com economias fracas

Qualquer país que tenha o uso generalizado da moeda digital Libra, proposta pelo Facebook, poderá descobrir que sua política monetária do banco central está seriamente comprometida. Essa é a visão de Hiromi Yamaoka, ex-executivo do Banco do Japão, que supervisionou a pesquisa em moedas digitais para a organização.

"O surgimento do Libra pressionaria os formuladores de políticas a se disciplinarem"

É provável que surjam problemas “caso o Libra se torne mais amplamente usado do que a moeda soberana de um país em particular”, segundo Yamaoka.

Mas enquanto isso não deve causar muita preocupação para os países com uma forte confiança do mercado em suas moedas, o Libra pode levar a ou acelerar a fuga de capitais em países onde a confiança do mercado é baixa.

Em ambos os casos, ele diz que “o surgimento do Libra pressionaria os formuladores de políticas a se disciplinarem” e não faria nada para minar o valor de suas moedas.

O plano é que o Libra seja apoiado por uma cesta de ativos reais denominados nas principais moedas. O medo dos formuladores de políticas é que qualquer mudança na composição dessa cesta poderia movimentar os mercados e até mesmo as taxas de câmbio. Isso interferiria na política monetária soberana das nações, disse Yamaoka à Reuters.

Coordenação global necessária para reduzir o risco

A única maneira de se proteger contra esses riscos é coordenar globalmente a regulamentação, pois oLibra será uma moeda global. "Qualquer inconsistência nas regras entre os países cria uma lacuna que torna as regras ineficazes", disse Yamaoka.

No entanto, embora a regulamentação possa causar atrasos no lançamento do Libra, Yamaoka acredita que uma proibição total seria difícil e ineficaz, dizendo “não há como parar a inovação”.

O Facebook já avisou os investidores que o Libra pode nunca ser lançado, após a virulenta reação dos reguladores.