Especialistas debatem o futuro da cripto e discutem casos de uso na BlockShow Americas 2018

O segundo dia do BlockShow Americas 2018 começou com um debate robusto sobre a utilidade das criptomoedas entre Nouriel Roubini, CEO da Roubini Macro Associates e preditor da crise financeira global em 2008, também conhecida como 'Dr.Doom' e Alex Mashinsky. fundador da Rede Celsius. Roubini argumentou que "no espaço da cripto não há segurança", alegando que "não há democratização e descentralização".

Mashinsky respondeu que “o sistema atual não funciona para sete bilhões de pessoas no mundo”, enquanto “apenas pessoas que trabalham em Wall Street podem pagar suas contas”. Ele acrescentou: “dizer que fintech não tem nada a ver com cripto não é verdade. "

A conferência continuou com uma discussão sobre a implantação de blockchain no e-commerce e como ela pode beneficiar varejistas e clientes. Alguns dos palestrantes expressaram dúvidas sobre o uso da cripto na vida cotidiana, como Austin Kimm, COO da Crypterium.

Kimm disse que “não há um caso real de uso, [a indústria] tem que encontrar uma razão pela qual pessoas mais velhas escolham usar cripto.” Eric Benz, membro fundador da Associação Digital do Reino Unido, disse que o ecossistema era muito pequeno, e que a incerteza do consumidor em torno das criptomoedas está afetando seu crescimento e seu uso.

“O tamanho desse ecossistema é uma ameba ... No final do dia, do ponto de vista do consumidor, quero saber que meu dinheiro está comigo à noite.”

Mais tarde, Roubini se juntou a um debate sobre como blockchain é visto da perspectiva de grandes instituições, juntando-se a atores como Tone Vays, ex-profissional e pesquisador de Wall Street, Sterlin Lujan, embaixador de comunicação do Bitcoin.com e David Drake, fundador e presidente da LDJ Capital. Roubini afirmou que “tudo no espaço cripto é inútil” e questionou a necessidade da integração de blockchain:

“O Fintech não é blockchain. Por que precisamos de blockchain ?! Bilhões de pessoas fazendo bilhões de transações usando empresas digitais - PayPal, etc. O que isso tem a ver com o blockchain? Zero. Um agricultor no Quênia pode usar o Intesa. Por que ele precisa de blockchain ?!”

Falando sobre tokenização de ativos físicos, Mike Butcher, Editor-At-Large da TechCrunch, afirmou que uma infra-estrutura legal robusta é necessária para o setor prosperar. Butcher disse que "a regulação é a chave", observando que "a Polônia e a França estão adotando a cripto como uma metodologia legal".

Vladimir Tomko, CEO da Blockchain Cuties, argumentou que até 2019 a indústria do jogo adotará a tokenização "com certeza". Embora Tomko tenha admitido que muitas ofertas iniciais de moedas (ICOs) eram fraudes e alguns jogos de cripto são esquemas ponzi, Tomko disse que comunidade e desenvolvedores estão trabalhando para tornar o ambiente mais transparente e seguro.

Em uma discussão sobre como blockchain pode afetar as economias emergentes das Américas, o moderador do painel Michael Gasiorek afirmou que há "muitas boas intenções", no entanto, o "problema é como envolver os cidadãos".

Enquanto Manish Sharma, Gerente Sênior de Produtos do LinkedIn, propôs dar “poder de volta ao povo”, Dan Itkis, co-criador do processador de pagamento de blockchain, GRAFT, argumentou que “blockchain é tudo sobre descentralização. Quanto mais você pudesse dividir as pessoas, mais você seria descentralizado ”.

Durante a discussão do painel do ETF de Bitcoin, Dallas Santana, assessor de mídia da blockchain, disse que está entediado com a cripto porque “não há um negócio real por trás disso”, acrescentando que ele está “cansado da história do Bitcoin” ao prejudicar o desenvolvimento do sistema. Santana argumentou que os fundos que fazem bem construirão portfólios “à moda antiga”, pesquisando empresas e seus modelos de negócios.