Exclusivo: Telegram lançará plataforma Blockchain e criptomoeda nativa

O popular aplicativo de mensagens criptografadas Telegram lançará sua própria plataforma Blockchain e criptomoeda, de acordo com fontes familiares ao assunto. A nova plataforma será denominada "The Open Network" ou "Telegram Open Network" (TON) e deve basear-se numa versão melhorada da tecnologia Blockchain.

Os relatórios iniciais da nova plataforma surgiram hoje de Anton Rozenberg, um ex-funcionário da divisão publicações do Telegram, o Telegraph. Rozenberg postou no Facebook o que ele afirma ser um video publicitário para a nova plataforma (ele não divulgou a fonte do vídeo). Ele também apontou que a TON se alinharia com o objetivo de Durov de ajudar aqueles sob governos opressivos, uma vez que eles poderiam transferir dinheiro nativamente através do aplicativo de mensagens. Isso poderia servir para quebrar o controle do Estado sobre o dinheiro dos cidadãos, acrescentou Rozenberg.


 

A Cointelegraph ficou sabendo que a moeda da TON se chamará "Gram" e a plataforma será integrada nativamente com muitos dos aplicativos de mensagens mais populares (ainda não estão definidos quais). A plataforma usará carteiras light, tornando desnecessário para os usuários baixar um Blockchain grande e pesado.

A plataforma TON também não terá que passar por um período de inicialização de vários anos como a maioria das novas plataformas, uma vez que o aplicativo Telegram já conta com 180 milhões de usuários de usuários, de acordo com a Bloomberg.

O Telegram já é imensamente popular entre a comunidade Blockchain, como o próprio Durov proclamou:

"Neste momento, toda a comunidade Blockchain e de criptomoeda simplesmente se mudou para o Telegram".

A Cointelegraph entrou em contato com o cofundador do Telegram, Pavel Durov, mas ainda não recebeu resposta. Embora ainda não confirmado oficialmente, a criação do TON é compatível com um artigo anterior da Bloomberg, que disse:

"[Durov] vê o Telegram como uma instituição de caridade que ele começará a monetizar no início do ano que vem, mas apenas o suficiente para financiar a expansão".

O Mark Zuckerberg da Rússia

O enigmático Pavel Durov juntou-se a seu irmão para lançar o Telegram em 2013. O aplicativo possui criptografia de ponta a ponta, tornando-o extremamente útil para dissidentes e cidadãos comuns que vivem sob regimes opressivos. Na verdade, de acordo com a Bloomberg, o Telegram representa 40% do tráfego de internet no Irã. O governo iraniano está tão indignado com as características de privacidade do aplicativo que eles acusaram Durov, in absentia, do terrorismo.

Durov não está terrivelmente incomodado; ele costumava defender os governos nacionais. Ele e seu irmão cofundaram a maior rede social da Rússia, o VK, criando uma empresa no valor de mais de US $ 3 bilhões. O VK era, de fato, bastante semelhante ao Facebook, mas enquanto Zuckerberg conseguiu manter o controle (e uma participação maciça), Durov não teve a mesma sorte.

Pavel Durov

Quando ele se recusou a entregar informações pessoais de usuários às autoridades russas, ele foi forçado a vender sua participação na empresa para um dos aliados de Putin. Assim, enquanto Zuckerberg tinha a opção de uma IPO, a Durov está usando uma ICO para monetizar sua criação.

Depois de ser forçado a sair do VK, Durov deixou a Rússia para sempre, levando consigo cerca de US $ 300 milhões e 2.000 Bitcoins. Ele levou suas riquezas substanciais com ele para São Cristóvão e Névis, investindo o suficiente na nação do Caribe para se tornar um cidadão. No entanto, ele passa a maior parte do tempo em Dubai.

Durov insiste que o Telegram não está à venda por qualquer preço, porque a privacidade de seus usuários é muito valiosa para arriscar:

"Nem mesmo por US $ 20 bilhões, ele não está à venda. Essa é uma garantia vitalícia".