Gigante de energia elétrica diz 'não' a cripto mineração mesmo com 'energia renovável'

A Enel, uma das maiores empresas de energia elétrica da Europa, anunciou hoje, 1 de fevereiro, que não venderão energia renovável para a empresa de mineração criptográfica Envion.

Em uma breve declaração à Reuters, a empresa com sede na Itália disse que eles não tinham "nenhum interesse em vender energia" para uma empresa de mineração:

"A Enel empreendeu um caminho claro para a descarbonização e o desenvolvimento sustentável e vê o uso intensivo de energia dedicada à mineração de criptomoeda como uma prática insustentável que não se encaixa no modelo de negócios que está buscando."

A Enel teria estado em negociações para um acordo com a empresa suiça Envion AG, uma empresa de mineração fora da rede que afirma usar energia descentralizada e limpa para alimentar suas unidades móveis de mineração, antes da decisão de hoje de não vender. Cada unidade Envion é instalada dentro de um recipiente de transporte e pode ser alimentada por um parque solar ou eólico em qualquer lugar do mundo, eliminando a dependência de qualquer infra-estrutura de um país.

Quase 70% da mineração mundial de criptomoedas ocorre na Europa, ao invés de ser na China, onde os custos elétricos são muito baratos. No entanto, como a China recentemente restringiu os regulamentos sobre criptomoedas no país, proibindo os ICOs e casas de câmbio, há uma preocupação de que os mineradores poderiam enfrentar restrições de energia na China.

Como o CT informou em dezembro de 2017, a mineração do Bitcoin padrão globalmenteusa mais energia do que a maioria dos países africanos. Com a criptomoeda na China com base no uso da energia hidrelétrica, as empresas tentaram formas inovadoras de usar formas renováveis de energia, como uma empresa baseada na Holanda que tentou aproveitar o calor do corpo humano para mineração.


Siga-nos no Facebook