Vitalik Buterin, da Ethereum, critica os intercâmbios de criptomoedas centralizados: "Espero que eles queimem no inferno"

O cofundador da Ethereum (ETH) Vitalik Buterin criticou os câmbios centralizados, dizendo que ele espera que eles "queimem no inferno", em uma entrevista com um jornalista do TechCrunch, Jon Evans, em 6 de julho.

Buterin reiterou sua posição positiva sobre a descentralização, alegando que, ao desenvolver plataformas descentralizadas “melhores”, a comunidade de criptografia deveria ser capaz de tirar o “rei estúpido que faz o poder” das trocas criptográficas centralizadas.

“Eu definitivamente espero que as trocas centralizadas queimem no inferno o máximo possível.”

O criador da Ethereum criticou as plataformas centralizadas por terem a capacidade de decidir quais criptomoedas “se tornariam grandes”. Segundo Buterin, elas fazem isso cobrando “essas loucas taxas de dez a quinze milhões de dólares”. Ele então acrescentou que descentralização adicional satisfaria melhor os "valores blockchain" de "abertura e transparência".

As centrais descentralizadas (DEXs), diferentemente das centralizadas, são construídas de forma a permitir que os usuários mantenham a propriedade de suas criptomoedas e chaves privadas. No entanto, os DEX também têm desvantagens - a relativa falta de liquidez, em comparação com suas contrapartes centralizadas, é um dos exemplos.

Na entrevista, Buterin citou um exemplo para demonstrar as vantagens da atual descentralização do Ethereum: “se alguém puser uma arma na cabeça dele e disser a ele para escrever um remendo do garfo duro”, ele definitivamente o faria. No entanto, “relativamente poucos” usuários baixariam e executariam a atualização, e isso, de acordo com Buterin, “é chamado de descentralização”.

O grau de descentralização do próprio Ethereum tem sido questionado por alguns especialistas, que citam, por exemplo, a possibilidade de conluio entre grupos de mineração para manipular a rede.

No momento da publicação, a Ethereum é a segunda maior criptomoeda, com uma capitalização de mercado de cerca de US $ 47,5 bilhões.