Mineração de Ethereum Necessita de mais Energia do que Chipre, Camboja e Brunei
 

O consumo de energia do Ethereum é mais do que toda a ilha de Chipre, bem como do Camboja e do Brunei, de acordo com relatórios.

Mining of Ethereum, que ainda está disponível com hardware doméstico padrão, "poderia consumir até 4,2 Terawatt-hora (tWh)", nota do Business Insider, citando pesquisas feitas pelo fundador da Digiconomist, Alex de Vries.

As descobertas fazem parte do recurso Índice de Consumo de Energia de Ethereum, lançado para rastrear as despesas à medida que a rede se prepara para transferir da Prova de Trabalho (PoW) para o Casper de Prova de Participação (PoP).

Em uma Twitter exchange ontem, o cofundador do Ethereum, Vitalik Buterin, também prevê outros benefícios para participantes da rede e investidores, uma vez que o Casper for ativado.

As taxas de emissão de token ETH, por exemplo, podem cair "abaixo de 0" no futuro, ele escreveu em resposta a uma consulta do criador do Ethereum Classic Fund, Barry Silbert.

A energia do Bitcoin e Ethereum, entretanto, também supera a da Jordânia, Islândia e República Dominicana. Em relação aos sistemas de pagamento, previsivelmente, os requisitos de energia da criptomoeda superam amplamente os associados às redes tradicionais, como a Visa.

Por transação, no entanto, o Ethereum ainda é consideravelmente mais barato do que o Bitcoin quanto aos custos de mineração.