Hack da Equifax Hack: 3 investidores vendram US$ 18 milhões de ações em transações obscuras

Três investidores da Equifax venderam US$ 17,8 milhões em ações antes que a empresa anunciasse que sofreu um dos maiores hacks da história.

Como a Reuters relata na sexta-feira, as ações vendidas três dias depois de o Equifax soube do hack, e ainda não estava "claro se essas transações faziam parte de um plano de vendas pré-organizado".

O gigante do crédito disse que os hackers ganharam entrada em informações confidenciais de uma conta sem precedentes de 143 milhões de notas entre maio e julho.

Os dados, como nomes, segurança social e números de carteira de motorista caíram nas mãos de partes maliciosas, juntamente com 209.000 números de cartões de crédito.

Maior que qualquer ataque comparável nos EUA, a Equifax deve publicar um relatório sobre os eventos nas próximas semanas, enquanto os comentaristas destacam a vulnerabilidade do armazenamento centralizado de informações.

"Em uma escala de 1 a 10, este é um 10", disse um analista à Reuters.

"Isso afeta todo o sistema de relatórios de crédito nos Estados Unidos porque ninguém pode recuperá-los, todos usam os mesmos dados".

O vice-presidente do comitê selecionado pelo senado sobre inteligência, Mike Warner, foi ainda mais longe, descrevendo a violação como "representando uma ameaça real para a segurança econômica dos americanos".

A infraestrutura herdada está se tornando um tópico cada vez mais difícil de evitar à medida que os hackers lançam ataques cada vez mais sofisticados que afetam uma série de empresas e outras organizações.

O WannaCry, o ataque de Ransomware Bitcoin, que apareceu em maio, alcançou em parte seu sucesso internacional devido ao software inadequado e desatualizado ainda usado por entidades proeminentes.