Block.One, desenvolvedora do EOS, tenta 10% de recompra privada de sua ação

A Block.one, desenvolvedora do EOS, está tentando uma recompra de 10% de suas ações, oferecendo aos investidores um preço de recompra de ações que retornará até 6.567% de seus investimentos iniciais. A notícia foi divulgada pela Bloomberg em 22 de maio.

De acordo com a Bloomberg, a recompra valoriza a empresa em cerca de US$ 2,3 bilhões, contra uma valorização de US$ 40 milhões na rodada de sementes de 2017. O preço de recompra oferecido é de US$ 1.500 por ação - 6.567% a mais do que o preço original de US$ 22,50.

Como observa a Bloomberg, os investidores que ostensivamente se beneficiam desse retorno incluem Peter Thiel, cofundador do PayPal, Jihan Wu, da gigante de hardware de mineração de cripto Bitmain e os gestores de fundos de cobertura Alan Howard e Louis Bacon - todos eles compraram EOS em julho de 2018.

Bacon e Howard se recusaram a comentar se ofertariam suas ações, com a Bloomberg observando que Thiel não respondeu a várias mensagens até o momento desta publicação.

Conforme relatado nesta quarta-feira, o Galaxy Digital, banco mercantil cripto de Michael Novogratz, aceitou a oferta de recompra e vendeu suas ações na Block.one por US$ 71,2 milhões - obtendo um retorno de 123% sobre seu investimento inicial. Novogratz afirmou que a substancial performance da Block.One contribuiu para a decisão.

Porém, a oferta de recompra da Block.one - que arrecadou um recorde de US$ 4 bilhões em sua crowdsale do token de ano inteiro, encerrada em junho de 2018 - provocou algumas críticas de pessoas de dentro do setor.

Em entrevista à Bloomberg, Nic Carter - um parceiro que foca na blockchain da firma de investimentos Castle Island Ventures - observou que:

"Uma recompra privada desse tipo sinaliza para mim que a empresa acredita que há poucas oportunidades de crescimento à vista, ou que deseja consolidar a propriedade e evitar o escrutínio externo."

Como a Bloomberg observa, a Block.One fez uma oferta anterior de recompra de ações na qual buscava adquirir 15% de suas ações em circulação, ao preço de US$ 1.200 cada. A empresa supostamente conseguiu recomprar 13,8%, a um custo total de cerca de US$ 300 milhões.

A Bloomberg cita um e-mail de março de 2019 para acionistas que supostamente indicaram que os ativos totais da EOS, incluindo dinheiro vivo e investimentos, totalizavam US$ 3 bilhões no final de fevereiro. Destes, US$ 2,2 bilhões eram detidos da forma que a empresa denominou em seu e-mail como “ativos líquidos líquidos”, com a maioria investindo em títulos do governo dos EUA. O e-mail também revelou que o portfólio de cripto da empresa havia caído para cerca de US$ 500 milhões durante o período de baixa.

O EOS, observa a Bloomberg, é um grande detentor de Bitcoin (BTC) - com ostensivos 140.000 BTC.