A CE lança relatório sobre possíveis aplicações do Blockchain na Educação

A Comissão Europeia publicou um relatório sobre o seu estudo sobre as possíveis aplicações da tecnologia Blockchain no sector da educação. Entre as coisas que foram analisadas pela comissão estão a viabilidade, desafios, benefícios e riscos do uso da tecnologia em escolas e universidades.

No relatório intitulado "Blockchain in Education", a comissão centrou-se no possível uso do Blockchain para a acreditação digital da aprendizagem pessoal e acadêmica. O relatório destina-se a formuladores de políticas no setor de educação.

Parte do relatório diz:

"Este estudo exploratório aborda o valor ... o Blockchain pode trazer para as partes interessadas no setor educacional, com um foco particular no seu potencial de credenciamento digital de aprendizagem pessoal e acadêmico".

As oito propostas do relatório

A comissão apresentou oito cenários sobre como o Blockchain pode ser usado para resolver os desafios no setor educacional. Entre os desafios estão a acreditação e transferência de créditos, certificação digital, credenciamento multietapas e transações de pagamento de estudantes.

Na sua conclusão, a comissão advertiu que as aplicações da tecnologia no setor ainda estão em sua infância. Reiterou que apenas uma implementação "totalmente aberta" pode realizar os objetivos reais, bem como a promessa do Blockchain na educação.

Adoção crescente por instituições educacionais do Blockchain

Apesar de sua infância, um número crescente de instituições educacionais estão interessadas no Blockchain. Entre eles, o Massachusetts Institute of Technology (MIT), que recentemente concedeu certificados ou diplomas digitais a mais de 100 graduados sob um projeto piloto envolvendo o Blockchain.

Além disso, a Federação de Conselhos Médicos Estaduais (FSMB) também lançou um programa piloto Blockchain que se concentra nas certificações digitais de estudantes de medicina.

Sob o programa, o conselho testou o padrão aberto chamado Blockcerts, que foi desenvolvido pela Learning Machine Technologies e pelo MIT Media Lab.


Siga-nos no Facebook