Dinheiro fiduciário apoiado por cripto: Sci Fi or algo que está faltando? Expert Take

Em nossos Expert Takes, os líderes de opinião de dentro e de fora da indústria de criptomoedas expressam seus pontos de vista, compartilham sua experiência e dão aconselhamento profissional. Expert Takes abrangem tudo, da tecnologia Blockchain e o financiamento de ICO até a tributação, regulamentações e adotação das criptomoedas por diferentes setores da economia.

Se você gostaria de contribuir com Expert Take, por favor, envie suas ideias e seu currículo para george@cointelegraph.com

Desde 1971 e o fim do padrão-ouro, as moedas fiduciárias dominam o mundo. As economias aprenderam como usar e abusar do sistema de moeda fiduciária e os bancos centrais não tiveram medo de usar a impressora de forma extensiva. Antes de 1971, os bancos centrais tinham que possuir grandes reservas de ouro - ou um equivalente mais próximo, que é o dólar americano - já que as moedas estavam atreladas a uma certa quantidade de ouro. Um dos argumentos para parar com o padrão-ouro foi que o crescimento econômico foi limitado pela incapacidade dos bancos centrais de aumentar a oferta monetária e criar crédito. Então, o padrão ouro foi abolido.

No entanto, até hoje grandes quantidades de ouro continuam sendo propriedade dos bancos centrais no mundo inteiro. Os bancos centrais em todo o mundo possuem em total 33.000 toneladas de ouro, ou o equivalente a US $ 1,6 trilhão. Ironicamente, embora esses bancos centrais possuam ouro como uma reserva de valor para defender sua moeda caso esteja sob ataque, a maioria desses bancos centrais não tem acesso a seu próprio ouro. De fato, a maior parte do ouro de propriedade dos bancos centrais é normalmente armazenado nos EUA ou no Reino Unido, principalmente por razões históricas e porque é bastante complicado movê-lo. É interessante que nos últimos 5 anos os bancos centrais começaram a repatriar seu ouro para recuperar o controle sobre o que pertence a eles.

Reservas internacionais globais

Nos últimos dez anos, os bancos centrais expandiram muito a gama dos ativos que podem possuir muito mais do que ouro e outras moedas fiduciárias. Eles implementaram as políticas de flexibilização quantitativa com o objetivo de estimular a economia. Essas políticas levaram-nos a adquirir trilhões de dólares em títulos soberanos, títulos corporativos e, mais surpreendentemente, em ações. Como resultado dessa grande expansão do balanço, o Banco do Japão se tornou o maior acionista das empresas japonesas, enquanto o Banco Nacional da Suíça registrou lucros de US $ 55 bilhões em 2017 depois do aumento dos preços globais das ações.

Uma classe de ativos que os bancos centrais ainda precisam adicionar a seus portfólios é a criptomoeda. Embora seja improvável que os governos renunciem às suas moedas fiduciárias e renunciem ao poder que lhes dão, uma maneira pela qual os mundos de criptomoedas e de moedas fiduciárias poderiam se cruzar seria através da compra, por bancos centrais de criptomoedas como o Bitcoin. Eles poderiam usar as criptomoedas como uma reserva de valor como fazem com o ouro, mas a proposição de valor oferecida pelas criptomoedas é muito diferente.

Um sistema transparente

Quando se quer avaliar as reservas de um banco central, você tem que confiar no que o banco central diz que são suas reservas. Os próprios bancos centrais têm que confiar que o ouro armazenado em um cofre em Nova Iorque ou Londres existe e que eles poderiam recuperá-lo caso precisassem. Isso significa que muitas partes precisam ser confiáveis ao revisar as reservas do banco central. Por outro lado, existe uma classe de ativos relativamente nova que é perfeita para deter e revelar as detenções de forma confiável e transparente: criptomoedas.

Se um banco central decidisse começar a investir no Bitcoin, por exemplo, poderia publicar o endereço de sua carteira e todos poderiam ver quantos BTC possuí. Estes BTC poderiam posteriormente ser usados para estabilizar a moeda, assim como os bancos centrais atualmente fazem com o ouro e outras moedas fiduciárias. A moeda fiduciária deste banco central seria na prática apoiada por uma criptomoeda.

A posse de quantidades tão grandes de Bitcoin significaria que quem controla a chave privada para esta carteira seria, sem dúvida, atentada por criminosos ou atrair os que querem roubar os BTC, mas há maneiras de lidar com isso. Embora empresas terceirizadas possam atuar como custodiantes do BTC de propriedade dos bancos centrais, isso significaria mais uma vez voltar ao antigo sistema no qual é necessário confiar num terceiro para armazenar um ativo. Uma forma de garantir que ninguém tenha a capacidade de facilmente roubar os BTC que pertencem ao banco central seria armazená-los em uma carteira de assinaturas múltiplas. Cada transação de saída teria que ser assinada pelo gerente do banco central, pelo ministro das finanças e, potencialmente, por uma parte externa, como o Banco de Compensações Internacionais ou o Fundo Monetário Internacional. Para provar que o banco central tem acesso aos BTC na carteira que ele controla, ele poderia iniciar periodicamente uma pequena transação ou enviar uma mensagem assinada para o blockchain do Bitcoin. Dessa forma, todos puderam ver 1) o número de BTC na carteira do banco central e 2) que o banco central está controlando sua carteira.

Uma aposta no futuro

As criptomoedas ainda são muito voláteis, apesar de terem aumentado significativamente em valor nos últimos 12 meses. Elas são voláteis porque ainda estão no período de "infância" e os investidores estão constantemente tentando descobrir quais são as chances de serem bem-sucedidos. Considerando que os que podem comparar com o Bitcoin são ouro e o dólar americano, a probabilidade de sucesso do Bitcoin está atualmente entre um e dois por cento (capitalização de mercado do Bitcoin dividida pelo valor de todo o ouro minerado ou dividido pela oferta monetária do dólar americano M2).

Assumindo que Bitcoin tem uma chance de um por cento de sucesso de se tornar uma moeda global ou uma reserva global de valor, não seria absurdo considerar investir 1% das reservas cambiais de um dado banco central como foi proposto por um proeminente banqueiro em Gana alguns meses atrás.

É improvável que as criptomoedas substituam totalmente as moedas fiduciárias - assim como o e-mail não substituiu totalmente o correio tradicional, mas as duas formas de moedas terão que aprender a coexistir e a viver juntas. O gênio de criptomoedas está fora da garrafa e não há maneira de colocá-lo de volta. Os bancos centrais que investem em criptomoedas podem ser o primeiro passo para construir uma ponte entre os dois mundos.

As visões e interpretações deste artigo são as do autor e não representam necessariamente as visões da Cointelegraph.com e do Banco Mundial.

Vincent Launay   é um especialista em finanças do Banco Mundial em Washington DC. Ele possui um mestrado em finanças pela HEC Paris e uma carta da CFA.