CoinMetrics mostra que mineradoras de Bitcoin consumiram, em 3 anos, a mesma energia que motoristas dos EUA em 3 dias

A empresa de análise de dados de criptomoedas baseada em Massachusetts CoinMetrics publicou estudo sobre a quantidade total de hashes processados pela rede bitcoin através de máquinas de mineração S9. Os cálculos revelaram que os mineiros consumiram 1,75e17 joules (ou 1,75 x 1017 watts por segundo) para confirmar e adicionar blocos ao blockchain do Bitcoin desde 2009. Isso equivale a aproximadamente 4,2 milhões de toneladas de petróleo, um terço do qual os carros dos EUA consomem todo dia.

A razão pela qual centenas de milhares de computadores em todo o mundo oferecem seu poder de computação à rede bitcoin poderia estar baseada nos incentivos ao cetor. Ao contrário de um protocolo de pagamento centralizado como o Visa ou o MasterCard, cujos servidores, individualmente, confirmam e registram transações - o Bitcoin conta com um sistema descentralizado em rede. A rede retorna aos participantes (ou mineiradores) incentivos, fazendo com que protocolo Bitcoin precise de um suprimento constante de eletricidade para funcionar, algo que atrairia críticas de ambientalistas.

A Nature Climate Change, uma revista científica que cobre todos os aspectos do aquecimento global, publicou um estudo que previa o enorme papel do Bitcoin no aumento das temperaturas globais. O relatório afirmou que a taxa na qual a mineração de Bitcoin estava crescendo poderia, por si só, gerar emissões para empurrar o aquecimento a 2°C até 2033.

“Não podemos prever o futuro do Bitcoin. Mas se for implementado em um ritmo próximo ao ritmo mais lento em que outras tecnologias foram incorporadas, será uma notícia terrível para a mudança climática e para as pessoas e espécies afetadas por ela ”, disse Camilo Mora, professor associado de Geografia na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade do Havaí Manoa e autor do estudo.

Em resposta, os mineradores de Bitcoin afirmam que estavam mudando para soluções de energia verde. Muitos projetos no setor de criptomoeda optaram por mudar ou começar com um algoritmo de consenso de prova de participação, uma alternativa à prova de trabalho (PoW) da mainnet do Bitcoin. O resultado esperado foi menos dependência de eletricidade. No entanto, as blockchains de prova de participação também atraíram críticas por seu potencial de se tornarem centralizados.

Kayee Tong, consultor de blockchain da Clarity, de São Francisco, disse ao site Quora que os estudos que desaprovam a mineração de bitcoin ignoram muitos aspectos críticos.

“A mineração de Bitcoin não está vinculada ao local”, declarou Tong. “Os estudos não levam em conta a probabilidade de a mineração Bitcoin migrar entre os países. Eles já estão se mudando para a Islândia (geotérmica) e EUA / Canadá (hidrelétrica) da China (carvão) em grande número. ”

Tong destacou as características negativas que acompanham o sistema bancário tradicional no que concerne ao gasto de energia. Ele explicou que eles estavam deixando uma enorme rastro de resíduos de carbono com seu dinheiro de papel quimicamente feito. Avançando ainda mais, Tong afirmou que os bancos estavam consumindo mais eletricidade com seus armazéns de servidores e filiais de varejo com localização massiva.

Em contraste com o bitcoin, os data centers globais usavam uma média aproximada de 4,16 x 1014 watts por ano, devido ao crescente consumo de dados on-line. Enquanto isso, a explosão da Inteligência Artificial e da Internet of Things espera dobrar a demanda de energia computacional até 2020.

A comparação entre gastos de energia feita pela CoinMetrics surge em meio a rumores de banimento da mineração de criptomoedas na China. Em meio a preocupações com os gastos de energia do setor, o governo Chinês estuda banir a atividade no país, como publicou o Cointelegraph.